Melanoma: dispositivo portátil pode revolucionar diagnóstico e tratamento

Estudo publicado na revista “Optics Letters”

11 agosto 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos desenvolveram um dispositivo portátil que poderá revolucionar a forma como os melanomas são diagnosticados e tratados, dá conta um estudo publicado na revista “Optics Letters”.
 

Este novo dispositivo, que utiliza laser e ondas sonoras, pode ser utilizado diretamente na pele do paciente, medindo com precisão a profundidade com que o tumor se estendeu na pele. Este novo método fornece informação valiosa para o tratamento, diagnóstico ou prognóstico.
 

O melanoma é o tipo de cancro da pele mais mortal. Quanto maior é a espessura do tumor mais probabilidade tem de se disseminar e de se tornar mortífero. Desta forma, a medição da espessura do tumor in vivo permite a determinação de um prognóstico mais assertivo e um planeamento de tratamentos e cirurgias em consonância.
 

O problema é que os métodos atuais não são capazes de medir a espessura dos tumores com precisão. Como a pele reflete a luz, as técnicas óticas de elevada resolução não atingem a profundidade necessária. Foram também já tentados outros métodos, como os ultrassons de elevada frequência, mas não têm um contraste de imagem suficiente e as ressonâncias magnéticas e as tomografias de emissão por positrão têm uma resolução insuficiente e são dispendiosas.
 

Recentemente, a comunidade científica, incluindo os investigadores da Universidade de Washington, nos EUA, têm aplicado uma outra abordagem denominada microscopia fotoacústica, que é capaz de medir com precisão os tumores diretamente na pele do paciente. Esta técnica baseia-se no efeito fotoacústico, no qual a luz é convertida em vibrações.
 

No caso do novo dispositivo, o feixe de luz atinge a pele no local do tumor, sendo a luz absorvida pela melanina e a energia desta é transferida em ondas acústicas de elevada frequência. Como as células tumorais produzem mais melanina do que as células saudáveis, as ondas acústicas podem ser utilizadas para mapear o tumor com elevado grau de solução. O dispositivo tem ainda um detetor que é capaz de transformar o sinal acústico numa imagem tridimensional.
 

Os investigadores já tinham construído um dispositivo semelhante, mas esta nova versão para além de ser portátil emite luz em torno e por baixo do tumor, gerando desta forma uma imagem mais brilhante da parte inferior do tumor e medindo com precisão a sua profundidade.
 

Os autores do estudo testaram este novo dispositivo em tumores artificiais de gelatina e em tumores de ratinho, tendo demonstrado que o instrumento era capaz de medir com precisão a profundidade dos tumores.
 

Inicialmente, este dispositivo será utilizado principalmente para melhorar a forma como os médicos planeiam e prepararam as cirurgias. Mas o que é especialmente interessante é a sua capacidade de medir o volume todo de um tumor, algo que nunca foi possível com melanoma, conclui um adas autoras do estudo, Lynn Cornelius.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.