Médicos investigam como a fé afecta a saúde

Estudos desenvolvidos pela University of Pennsylvania

06 fevereiro 2007
  |  Partilhar:

 

Um grupo de cientistas do Center for Spirituality and the Neurosciences, da University of Pennsylvania, EUA, está a investigar como a fé e a espiritualidade afectam a saúde e o comportamento humano.
 

 

A partir de análises de imagens computadorizadas, os cientistas verificam o comportamento de determinadas áreas cerebrais e a alteração dos níveis hormonais.
 

 

"A espiritualidade e a fé não estão necessariamente relacionadas com a fé religiosa", disse Andrew Newberg, líder da investigação, e professor do departamento de Radiologia e Psiquiatria da universidade. Segundo o cientista, os sentimentos de clareza e bem-estar podem vir também de outras expressões artísticas, como meditações não-religiosas, um bonito pôr-do-sol ou ao ouvir música. "Os ateus também têm fé", disse.
 

 

Num dos estudos, a equipa liderada por Newberg analisou imagens computadorizadas do cérebro de um cristão (da igreja pentecostal) enquanto praticava glossolalia (uma espécie de reza efectuada em várias línguas). Depois, repetiram o mesmo procedimento com um grupo enquanto cantava música gospel. Comparando os dois resultados, o grupo que praticava glossolalia teve uma diminuição das actividades na parte do cérebro relacionada à linguagem.
 

 

Num outro estudo recente, a mesma equipa analisou dados obtidos a partir da meditação de budistas tibetanos e da reza de monges franciscanos e comparou os resultados medindo os níveis de actividade cerebral. Ambos os grupos mostraram uma diminuição das actividades nas partes ligadas à consciência e à orientação. A reza e a meditação também aumentaram os níveis de dopamina, um neurotransmissor associado ao estímulo da actividade cerebral.
 

 

"Poucos olham para a espiritualidade a partir de um lado neurológico", disse o médico Newberg, que conta com uma equipa multidisciplinar de investigadores que exploram o relacionamento do cérebro com a fé baseados em pontos de vista biológicos, psicológicos, ideológicos e sociais.
 

 

Segundo o médico Daniel Monti, membro da equipa de investigadores, o centro integrado de medicina da Universidade da Pensilvânia trata pacientes oncológicos e com Dor crónica através de meditação e dietas apropriadas em conjunto com as terapias convencionais. Em declarações à imprensa internacional, Monti diz que estes métodos, outrora vistos com um certo preconceito, estão a começar a ser amplamente aceites pela comunidade médica e pelos pacientes.
 

 

MNI- Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.