Médicos com horários à porta

Doentes poderão em breve escolher o seu médico e centro de saúde, apresenta ministro da Saúde

08 outubro 2002
  |  Partilhar:

Os médicos dos centros de saúde vão passar a ter os seus horários afixados à porta dos estabelecimentos para que os utentes saibam quando os encontrar.
 

 

A novidade foi avançada ontem pelo ministro da Saúde, Luís Filipe Pereira, que anunciou que esta é uma das alterações incluídas na legislação que cria a nova rede de cuidados primários, onde também é dada a possibilidade de os centros de saúde poderem ser geridos por grupos privados, como cooperativas médicas.
 

 

Com estas modificações e segundo o governante, os utentes vão poder escolher o seu centro de saúde, marcar consultas por telefone e dispor de uma tabela, afixada no exterior do estabelecimento com o horário do seu médico. Isto apara além de os centros passarem a estar abertos, na maioria, das 8 às 20 horas e muitos ao fim-de-semana.
 

 

Liberdade de escolha
 

 

O ministro da Saúde também quer aprovar até ao final do mês um diploma que altera o funcionamento dos cuidados primários e define, entre outros aspectos, a liberdade do doente em escolher o seu médico e centro de saúde.
 

 

Entre as modificações que constam do diploma a enviar a partir de terça-feira aos parceiros sociais para apreciação, o ministro Luís Filipe Pereira salienta a criação da figura do médico assistente, que vem substituir a de médico de família.
 

 

Este médico assistente deverá funcionar como "interlocutor" do doente, a quem este poderá recorrer mesmo por via telefónica, em caso de dúvidas sobre medicação ou sintomatologia.
 

 

A introdução da designação de médico assistente mereceu já um alerta por parte da Associação Portuguesa de Médicos de Clínica Geral (APMCG).
 

 

O presidente da APMCG, Luís Pisco, alertou para a "tentação" de colocar nos cuidados primários de saúde médicos sem a especialidade de clínica geral, ou seja, clínicos que terminaram a formação geral de medicina e não completaram nenhuma especialidade.
 

 

Fontes: Lusa e Correio da Manhã
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.