Marcador tumoral de cancro da mama sem comparticipação estatal

Alerta da Liga Portuguesa Contra o Cancro

10 novembro 2009
  |  Partilhar:

O marcador tumoral CA 15.3, considerado o mais sensível para detectar uma primeira ocorrência ou uma reincidência do cancro da mama, não faz parte das análises clínicas comparticipadas pelo Estado, apesar de custar actualmente 23,10 euros.

 

Para o presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro, Vítor Veloso, tendo em conta que, em princípio, a análise é pedida "criteriosamente" – em consequência de uma suspeita severa da doença ou para efeitos de monitorização – "não se compreende" a inexistência de convenção.

 

"A nível hospitalar, quando se justifica, esse marcador continua a ser pedido e, evidentemente, a ser comparticipado", apontou o presidente da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

 

A análise é solicitada quando há suspeita fundamentada de carcinoma da mama ou, no caso de uma mulher que já teve a doença, para analisar a sua evolução.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.