Malária: descoberta forma como parasita invade glóbulos vermelhos

Estudo publicado na “Nature”

14 novembro 2011
  |  Partilhar:

Investigadores do Reino Unido descobriram como a espécie mais mortal do parasita que causa a malária, Plasmodium falciparum, invade os glóbulos vermelhos, oferecendo assim um novo foco para o desenvolvimento de uma vacina, dá conta um estudo publicado na “Nature”.
 

A malária, doença para a qual ainda não existe nenhuma vacina licenciada disponível, mata aproximadamente um milhão de pessoas a cada ano, principalmente crianças menores de cinco anos oriundas da África subsaariana.
 

O ciclo de vida do Plasmodium é iniciado quando o parasita invade os glóbulos vermelhos, e é esta fase que é responsável pelo aparecimento dos sintomas e da mortalidade associada a esta doença. Os investigadores já haviam tentado, durante muitos anos, desenvolver uma vacina que impedisse a entrada do vírus nestas células, mas sem sucesso até ao momento. Um dos grandes desafios é que o parasita é adaptável – apesar de vários receptores dos glóbulos vermelhos já terem sido identificados, nenhum se mostrou ser essencial. Quando a entrada através de um determinado receptor era bloqueada, o parasita era capaz de entrar através de outro.
 

Mas os investigadores do Wellcome Trust Sanger Institute descobriram agora um único receptor que é absolutamente necessário para que o parasita invada as células do hospedeiro.
 

A interacção entre o parasita e o receptor do hospedeiro foi descoberta através da utilização de uma técnica denominada AVEXIS (Avidity-based Extracellular Interaction Screen). Esta tecnologia, foi especificamente desenhada para detectar interacções extracelulares entre o ligando e o receptor.
 

Para além de terem identificado a interacção, os investigadores demonstraram que a interrupção desta interacção bloqueava completamente a entrada do parasita dentro dos glóbulos vermelhos. Foi também verificado que isto acontecia para todas as estirpes de parasita testados, o que indica que este receptor é uma via de entrada universal.
 

"Ao identificar um único receptor que parece ser essencial para o parasita invadir os glóbulos, também identificámos um foco óbvio e muito interessante para o desenvolvimento de uma vacina", disse Julian Rayner, co-autor da investigação. "A esperança é que este trabalho leve a uma vacina eficaz".

 

A vacinação contra a malária será a forma mais simples e com melhor relação custo-benefício para proteger as populações contra a doença. No entanto, para que esta abordagem funcione a nível da população, a vacina tem de ser altamente eficaz para que a vasta maioria das pessoas vacinadas fique imune à doença.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.