Malária cerebral: mecanismo que protege contra a doença foi premiado

Estudo publicado na “Cell”

27 novembro 2012
  |  Partilhar:

Um trabalho descrevendo um mecanismo molecular que protege contra a malária cerebral, que é responsável por um milhão de mortes por ano, venceu o Prémio da Sociedade Portuguesa de Genética Humana 2012.
 

O estudo conduzido pela investigadora a portuguesa Ana Ferreira descreve o mecanismo, preservado pelo corpo humano ao longo da sua evolução, que está presente em pessoas com anemia falciforme, uma doença genética grave sobretudo na sua forma severa.
 

A notícia avançada pela agência Lusa refere que foi descoberto que este mecanismo, uma mutação genética, é muito prevalente precisamente nas populações onde a malária é endémica, funcionado como uma proteção contra a doença.
 

Os indivíduos com apenas uma cópia da mutação genética responsável pela anemia falciforme não manifestam sintomas desta doença e conseguem tornar-se ao mesmo tempo resistentes à malária, que existe sobretudo na África subsariana.
 

O estudo de Ana Ferreira foi realizado num grupo liderado pelo investigador Miguel Soares, do Instituto Gulbenkian de Ciência.
 

A investigadora da Universidade Nova de Lisboa, de 36 anos, vê agora o seu trabalho classificado como “o melhor publicado por um jovem investigador em Portugal”, segundo um comunicado do Instituto Gulbenkian.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.