Mais de 850 pessoas rastreadas ao cancro da cabeça e pescoço

Encontrados 31 casos suspeitos

09 agosto 2016
  |  Partilhar:
Mais de 850 pessoas fizeram rastreios ao cancro da cabeça e do pescoço desde o inicio da Volta a Portugal em Bicicleta, no dia 27 de julho, tendo 31 sido encaminhadas para exames complementares por terem lesões suspeitas.
 
O balanço foi feito à agência Lusa pela oncologista Ana Castro, que preside ao Grupo de Estudos do Cancro de Cabeça e Pescoço (GECCP), que decidiu organizar rastreios gratuitos à população durante a 78ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta.
 
O GECCP percorreu ao longo de 11 dias mais de 1.500 quilómetros de estrada, acompanhando a volta a Portugal em bicicleta, ao longo da qual foi montando tendas de rastreio nos pontos de chegada de todas as etapas.
 
“Fizemos 854 rastreios e foram referenciadas 31 pessoas com lesões suspeitas para serem avaliadas em ambiente hospitalar. Com estas pessoas esperamos poder fazer a diferença”, afirmou Ana Castro.
 
Segundo a médica, no início do desenvolvimento da doença, o tratamento destes tipos de cancro pode ter uma taxa de sucesso entre os 80% e 90%. 
 
Ana Castro faz um balanço “muito positivo” e considera que o número de pessoas abrangidas ultrapassou as suas expectativas.
 
Para este número contribuiu o facto de o rastreio ter sido feito no âmbito da Volta a Portugal em Bicicleta, indo ao encontro das pessoas que estavam a assistir ao evento.
 
“Quando fazemos rastreios em hospitais conseguimos uma adesão mais baixa, porque as pessoas têm que se deslocar. Quando vamos ao encontro da população, que é o fundamental, faz diferença. Conseguimos chegar a mais pessoas e ter um maior número de pessoas rastreadas, que não iriam ao hospital”, explicou.
 
As 31 pessoas referenciadas irão agora ser chamadas para consulta de avaliação e para fazer biopsias, disse a responsável, acrescentando que “as principais lesões detetadas nos rastreios são lipoides na língua, nas bochechas e no pavimento da boca, bem como feridas e violáceas”.
 
Todos os anos, são diagnosticados entre 2.500 e 3.000 novos casos de cancro de cabeça e pescoço em Portugal e 85% das vítimas são fumadores ou ex-fumadores, daí a importância dos rastreios à doença a pessoas com hábitos tabágicos ou de consumo excessivo de álcool.
 
Em Portugal, os cancros de cabeça e pescoço são a quarta doença com maior incidência em indivíduos do sexo masculino, matando três portugueses por dia.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.