Mais de 40% das mortes infantis são de recém-nascidos
01 setembro 2011
  |  Partilhar:

Mais de 40 por cento das mortes até aos cinco anos dizem respeito a recém-nascidos e a percentagem tende a aumentar, apesar de haver cada vez menos crianças a morrer, revela um estudo da Organização Mundial de Saúde publicado.

 

De acordo com os dados agora revelados, as mortes nas primeiras quatro semanas de vida (período neo-natal) constituem hoje 41% de todas as mortes até aos cinco anos de idade. Essa percentagem cresceu dos 37% em 1990.

 

As mortes em recém-nascidos diminuíram de 4,6 milhões em 1990 para 3,3 milhões em 2009, mas constituem agora maior proporção do número global de mortes infantis.

 

As melhorias salientaram-se desde que foram instituídos os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas em 2000, que resultaram em mais investimento em cuidados de saúde para mulheres e crianças. No entanto, estas melhorias contribuíram mais para o rápido aumento da sobrevivência das mães (2,3% ao ano) e das crianças com menos de cinco anos (2,1% ao ano) do que dos recém-nascidos (1,7% ao ano).

 

Os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio pretendem uma redução da mortalidade infantil para um terço dos valores de 1990, mas segundo este estudo, e embora tenha havido melhorias na redução da mortalidade infantil, os valores permanecem insuficientes para atingir esse objectivo, em particular na redução das mortes neo-natais.

 

Anualmente, mais de oito milhões de crianças morrem antes do seu quinto aniversário. Quanto às mortes neo-natais, quase 99% ocorrem nos países em desenvolvimento e são causadas por doenças que podem ser prevenidas ou tratadas.

 

Entre as principais causas de morte encontram-se os partos prematuros (29%), problemas respiratórios (asfixia) durante ou no pós-parto (23%), bem como septicemias ou pneumonias (25%).

 

Procedimentos simples já existentes como melhores condições de higiene na altura do parto ou aconselhamento quanto ao aleitamento podem reduzir as mortes neo-natais para dois terços ou mais se chegarem às populações que deles necessitam.

 

A primeira semana de vida é a mais arriscada para os recém-nascidos e no entanto muitos países estão apenas agora a começar programas de cuidados pós-natais que apoiem mães e recém-nascidos neste momento crítico.

 

“A sobrevivência dos recém-nascidos tem sido deixada para trás, apesar das soluções existentes para prevenir essas mortes” diz Flavia Bustreo, responsável da OMS para a Saúde da Família, Mulheres e Crianças. “Com quatro anos para atingirmos os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, é crítico dar mais atenção e acções para os recém-nascidos”, acrescenta.

 

Cerca metade das mortes em recém-nascidos ocorre na Índia, Nigéria, Paquistão, China e República Democrática do Congo.

 

Com uma redução de apenas 1% ao ano, África tem demonstrado o progresso mais lento a nível mundial. Ao ritmo actual, demorará mais de 150 anos a atingir níveis de sobrevivência comparáveis aos dos Estados Unidos da América ou Reino Unido.

 

“Este estudo demonstra claramente que onde os bebés nascem influencia dramaticamente as suas hipóteses de sobrevivência, e que especialmente em África demasiadas mães experienciam a dor de perder os seus filhos” disse o co-autor Joy Lawn, da organização Save the Children. “Milhões de bebés não deviam estar a morrer quando existem intervenções comprovadas e com bom custo-benefício para prevenir as principais causas da morte de recém-nascidos.”

 

O estudo, o mais completo até à data, cobre 20 anos e todos os 193 estados membros da Organização Mundial de Saúde. Realizado por investigadores da OMS, Save the Children e da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, foi publicado na revista médica PLoS Medicine.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 4
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.