Mães menos controladoras e mais carinhosas têm relação mais forte com os filhos

Estudo conduzido pela University of Missouri

11 fevereiro 2013
  |  Partilhar:

Um estudo sobre a interação entre mães e filhos revelou que o autoritarismo, por parte das mães, relativamente ao controlo do ritmo e conteúdo das brincadeiras dos filhos em idade pré-escolar, varia consoante a etnicidade das mães e a própria a idade das crianças.
 

Liderado por Jean Ispa, docente de desenvolvimento humano e de estudos sobre a família na University of Missouri, EUA, o estudo demonstrou ainda que quanto mais controladoras são as mães durante as brincadeiras, mais emoções negativas as crianças demonstram relativamente às progenitoras.
 

Segundo a autora do estudo, as crianças necessitam de poderem fazer escolhas sobre as suas ações, principalmente em situações de brincadeira. A investigadora acrescenta que as mães que controlam em demasia as brincadeiras dos filhos, não os deixam fazer escolhas, referindo, a esse propósito, que durante o estudo as crianças brincavam e as mães muito controladoras decidiam como é que os filhos deviam brincar, a que ritmo, e que brincadeiras.
 

O estudo foi baseado na observação de vídeos com gravações de mães e filhos norte-americanos em interação no contexto de brincadeiras. Foram feitas gravações quando as crianças tinham 1, 2, 3 e 5 anos de idade. As mães e filhos que participaram no estudo tinham integrado um outro estudo no âmbito de um programa nacional norte-americano chamado “Early Head Start”, que tem como objetivo apoiar o desenvolvimento cognitivo, social e emocional de crianças de famílias com baixos rendimentos.
 

Foi observado que as mães que eram muito controladoras durante o período das brincadeiras recebiam dos seus filhos expressões de sentimentos de negatividade e de menos consideração. No entanto, os sentimentos de negatividade por parte dos filhos diminuíam nas mães que eram carinhosas, para além de controladoras.
 

A equipa observou que as mães mais controladoras eram as de origem africana, seguidas das de origem mexicana, sendo as de origem europeia as menos controladoras.
 

É de conhecimento geral que todas as crianças necessitam de se sentirem amadas, seja qual for a cultura na qual se encontram inseridas. Jean Ispa é de opinião que as mães devem demonstrar afeto para com os filhos durante o período das brincadeiras, tendo o cuidado de limitarem o controlo das suas ações durante as mesmas, de forma a promoverem o desenvolvimento saudável das crianças.
 

Jean Ispa conclui que “as crianças apercebem-se do sentido das atitudes das mães; por isso, se uma mãe está a ser muito controladora mas é normalmente uma pessoa muito afetuosa, penso que a criança sente: «a minha mãe está a proceder assim porque se preocupa comigo e tenta fazer o melhor por mim». Se esse afeto não se verificar, então a criança poderá sentir que «a minha mãe está a tentar controlar-me e eu não gosto».
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 2
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.