Macacas ajudam a explicar gravidez na adolescência

Estudo procura pistas no reino animal

27 junho 2005
  |  Partilhar:

 

 

 

 

Se a gravidez na adolescência é um problema social em muitos países do mundo, este estudo poderá ajudar a desvendar o que se esconde por de trás...
 

 

O reino animal pode dar pistas importantes sobre o crescimento da taxa de gravidez na adolescência, segundo um estudo da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.
 

 

Experiências stressantes durante a adolescência levam ao desenvolvimento prematuro do instinto maternal em macacas, refere a investigação.
 

 

O trabalho indica que, de maneira idêntica, as raparigas que crescem sem a presença do pai atingem mais cedo a puberdade e ficam mais emocionadas perante fotografias de crianças. «Mas esses factores têm de ser considerados juntamente com problemas socio-económicos mais óbvios», considerou o cientista Dario Maestripieri, um dos autores do estudo.
 

 

Maestripieri estudou o sistema reprodutivo e o comportamento paternal em macacos e humanos.
 

As fêmeas estudadas - e que foram expostas a um cuidado maternal intenso durante a infância - desenvolveram mais cedo o interesse por crianças, assim como uma taxa mais alta de hormonas relacionadas com o stress durante o crescimento.
 

 

Segundo Maestripieri, o mesmo acontece com as adolescentes humanas. «As influências sociais são muito importantes para a reprodução humana», disse o cientista, acrescentando que «as coisas que acontecem com as famílias nos primeiros anos de vida têm consequências que são transportadas além da infância. Por exemplo, as adolescentes que não têm a presença do pai em casa começam a menstruar mais cedo.»
 

 

No entanto, adianta o cientista, existem várias teorias que explicariam a taxa de gravidez elevada entre adolescentes. «O facto de existirem outros homens perto, como namorados da mãe, pode acelerar a puberdade», apontou.
 

 

O estudo foi apresentado durante o encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em Washington.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

Jornalista
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.