Má qualidade do ar dos hospitais e salas de espera

Estudos realizados na região norte do país

19 abril 2009
  |  Partilhar:

A qualidade do ar de vários hospitais e de dezenas de salas de espera de serviços de saúde é “deficiente” e poderá ser responsável por dores de cabeça e sintomas de fadiga que atingem utentes e profissionais, revelam dois estudos.

 

Um dos estudos realizados pelo Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Norte analisou as condições térmicas no interior de várias unidades hospitalares públicas, na região Norte, durante Agosto e Novembro de 2008, para “verificar se estavam reunidas as condições mínimas de conforto”.
 

De acordo com declarações prestadas à agência Lusa, o objectivo do projecto foi “assegurar a adequada climatização, de modo a garantir que existe maior conforto térmico com renovação do ar interior e diminuição do risco de agravamento do estado de saúde dos grupos vulneráveis”.

 

Este estudo revelou que “de um modo geral, não estão reunidas as condições ambientais para o conforto térmico - quer de utentes, quer de profissionais - sempre que os mesmos permaneçam no interior dos locais avaliados”.

 

Na opinião dos autores do estudo, esta situação pode “potenciar o aparecimento de problemas de saúde” e recomendam que sejam tomadas “medidas correctivas específicas para a diminuição contínua do risco de agravamento do estado de saúde dos grupos vulneráveis”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.