Lobos influíram no comportamento humano

Teoria revela novos dados sobre a relação Homem - cão selvagem

02 abril 2002
  |  Partilhar:

As fábulas e contos populares que povoam o nosso imaginário estão repletas de histórias de lobos maus que, a todo o custo, tentam comer crianças indefesas. Um dos contos mais conhecidos é o do Lobo Mau e do Capuchinho Vermelho. Por isso, quem diria que os lobos transmitiram ao Homem importantes traços de comportamento. A verdade é que os ancestrais dos actuais cães domésticos podem ter ajudado o homem a adquirir novas formas de relacionamento humano há mais de 100 mil anos, demonstra um a estudo realizado na Austrália.
 

 

"Várias forças levaram ao desenvolvimento anatómico e comportamental dos humanos modernos. E a relação próxima entre os ancestrais humanos e os lobos são um dos factores-chave", afirmou Paul Tacon, investigador do Australian Museum.
 

 

O estudo defende que a parceria entre humanos e caninos data de 100 mil a 130 mil anos, muito tempo antes do que já se havia estabelecido em teses anteriores.
 

 

Uma das pistas que Tacon seguiu foi o forte sentimento de territorialidade dos humanos, que não existe noutros primatas. É uma característica que, segundo ele, pode ter sido copiada de lobos e cães, que marcam seu território com a urina.
 

 

Sem o olfacto tão apurado, os homens teriam substituído essa táctica por pinturas rupestres nas suas grutas. Deste modo nasceu uma nova forma de marcar o território. "Isso acabou por levar ao desenvolvimento de todos os tipos de arte figurativa, há 40 mil anos", disse Tacon.
 

 

Também a caça de grandes animais só foi possível com a cooperação dos lobos. Facto que permitiu ao Homem sobreviver em ambientes hostis, como desertos e o Ártico.
 

 

Ensinar os afectos
 

 

O mais interessante nessa teoria é a ideia de que, ao aprender a domesticar os lobos, o Homem também descobriu como se relacionar melhor com seus semelhantes. Este intercâmbio de ideias que resultou favoreceu o rápido desenvolvimento humano. "Pela cooperação conseguimos feitos incríveis, como chegar à Lua ", exemplificou o cientista.
 

 

Ao trazer o lobo para dentro da estrutura social, o Homem aprendeu conceitos de família. Enquanto os lobos aproveitavam o convívio humano para subsistir de uma forma mais agradável – na obtenção de alimentos – o Homem ia observando as suas formas de relacionamento entre os animais e testando novos meios de afecto com os bichos.
 

 

O comportamento de apego possibilitou a domesticação do cão selvagem até a sua condição de animal de companhia.
 

Tacon e o bio-arqueólogo Colin Pardoe publicaram a nova teoria na revista "Nature Australia". Mas, antes, a investigação foi submetida à avaliação de outros cientistas.
 

 

Os cientistas admitem que a nova teoria ainda precisa de ser mais estudada. "Estamos a olhar para o passado sob uma nova perspectiva. E se pudermos trazer mais e mais perspectivas para nossa interpretação do passado, vamos ter uma aproximação mais exacta do que acontecia".
 

 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.