Liraglutida associada a menor risco de eventos cardiovasculares

Estudo publicado na revista “The Lancet Diabetes & Endocrinology”

10 dezembro 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores descobriu uma associação entre o uso de liraglutida, um fármaco para o tratamento da diabetes de tipo 2, e um menor risco de eventos cardiovasculares.
 
A diabetes de tipo 2 é uma doença que está a aumentar rapidamente em todo o mundo. Uma das complicações desta doença metabólica é o risco de doenças cardiovasculares, as quais são responsáveis por uma grande parte da mortalidade neste grupo de pacientes.    
 
Anteriormente, um estudo de grandes dimensões tinha evidenciado que a liraglutida fazia reduzir o risco de eventos cardiovasculares “major” em pacientes diabéticos com doença cardiovascular ou com risco elevado daquele tipo de doenças.
 
Para este estudo, que foi liderado por investigadores do Instituto Karolinska, na Suécia, foram analisados dados de 23.402 pacientes na Suécia e Dinamarca que tomavam liraglutida. Os pacientes foram comparados com outros 23.402 pacientes que tomavam inibidores da DPP4 (gliptinas).
 
O resultado principal que se procurava no estudo era a incidência de eventos cardiovasculares “major” que englobam o enfarte do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e morte cardiovascular.
 
Foi descoberto que o índice de eventos cardiovasculares “major” nos utilizadores de liraglutida foi de 14,0 por cada 1.000 pessoas-ano; nos utilizadores de inibidores da DPP4 o índice daqueles eventos foi de 15,4 por cada 1.000 pessoas-ano. 
 
Por outras palavras, estes números traduziram-se em menos cinco eventos por cada mil dos pacientes seguidos durante três anos.
 
O uso de liraglutida foi ainda associado a um menor risco de morte cardiovascular e também por qualquer causa.
 
“O nosso estudo fortalece a perceção da eficácia cardiovascular da liraglutida num grupo mais alargado não selecionado de pacientes, proporcionando provas importantes confirmatórias retiradas da prática clínica de rotina”, comentou Björn Pasternak, investigador sénior no Instituto Karolinska. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar