Leite de vaca é introduzido demasiado cedo

Estudo do Padrão de Alimentação e de Crescimento na Infância

04 junho 2013
  |  Partilhar:

O leite de vaca é introduzido demasiado cedo na alimentação das crianças, ou seja, antes dos 12 meses em cerca de 20% das famílias portuguesas da zona norte, dá conta o Estudo do Padrão de Alimentação e de Crescimento na Infância (EPACI).
 

A pediatra e coordenadora do estudo, Carla Rêgo, explicou que o leite de vaca (pasteurizado e UHT) tem uma composição nutricional inadequada para esta idade, com um baixo teor de ferro e um elevado teor proteico, e nunca deve ser utilizado, pelo menos, no primeiro ano de vida.
 

De acordo com Carla Rêgo, este é o maior estudo do género alguma vez feito em Portugal e tem como objetivo retirar conclusões sobre a obesidade na infância e gerar linhas de orientação para a comunidade médica. Embora representativos do país, entre os dados hoje divulgados no Porto só estão reportados os obtidos na região norte. Em setembro serão divulgados os dados globais.
 

A coordenadora do EPACI revelou à agência Lusa que, “este trabalho foi realizado porque se sabe que a alimentação e a forma como se cresce nos primeiros anos de vida são determinantes para a saúde futura”.
 

“É sabido que quando existe um grande aumento de peso, por exemplo no primeiro ano de vida, ou quando se ultrapassa os 2/3 anos com excesso de peso muito marcado, a probabilidade de vir a ter tensão arterial elevada, de desenvolver obesidade ou doença cardiovascular é maior do que se isso não acontecer”, explicou.
 

O estudo revelou que há erros que é preciso corrigir, mas revelou também “há muita coisa bem-feita em Portugal”, nomeadamente a idade da diversificação alimentar (introdução de outros alimentos) e o facto de essa diversificação se iniciar com a sopa.
 

“Quarenta e cinco por cento das nossas crianças iniciam pela sopa de vegetais. Outra coisa que se faz muito bem é o fracionamento das refeições, come-se cinco ou seis vezes ao dia. A introdução da carne também ocorre no período certo, ao sexto mês”, sustentou.
 

Um outro aspeto que se destacou pela positiva é relativo ao consumo de fruta, “92,5% das nossas crianças consomem fruta diariamente, o que é espetacular”, frisou a pediatra. Pela negativa salientou a introdução dos vegetais no prato, que ocorre tardiamente, ao contrário do consumo de sumos, com ou sem gás, que é “extremamente elevado” e começa “demasiado cedo”.
 

Um outro aspeto negativo é o “tempo de aleitamento materno”, que é de “apenas três meses e meio”, provavelmente devido à obrigatoriedade do regresso das mães ao trabalho. A Organização Mundial de saúde e o comité de nutrição europeu recomendam o leite materno em exclusivo até o mais próximo possível do sexto mês.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.