Lei da IVG acabou com infecções e perfurações de órgãos

Dados revelados pelo director-geral da Saúde

16 abril 2009
  |  Partilhar:

As perfurações de órgãos e as infecções associadas ao aborto clandestino deixaram de existir desde que passou a vigorar, em 2007, a legislação que permite a Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) até às dez semanas, anunciou o director-geral da Saúde.

 

Francisco George congratulou-se com os resultados alcançados com a lei da Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG), cuja regulamentação entrou em vigor a 15 de Julho de 2007.

 

De acordo com o dirigente, à luz da nova lei em vigor foram realizadas 28.556 IVG até as dez semanas, das quais 27.639 por vontade expressa da mulher.

 

Francisco George anunciou que, em consequência da nova legislação, foram eliminadas as complicações associadas ao aborto clandestino, nomeadamente as perfurações de órgãos e as infecções. “Deixaram de surgir nas urgências hospitalares casos de órgãos perfurados e infecções” associados ao aborto clandestino.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.