Investigadores portugueses na luta contra a Malária

Descoberta mereceu prémio de 30 mil euros

19 novembro 2007
  |  Partilhar:

Os investigadores portugueses do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa que descobriram uma forma de impedir a propagação da Malária no organismo, podendo abrir caminho à cura da doença, receberam quinta-feira o Prémio CESPU (Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário) 2007.
 

 

A investigação conduziu a uma nova abordagem sobre a forma como o parasita da Malária se desenvolve na fase em que está alojado no fígado dos seres humanos, evitando a propagação da doença no organismo.
 

 

O trabalho, intitulado “SR-BI plays a dual role in the establishment of malaria liver infection”, foi desenvolvido por Maria Manuel Mota, Cristina Dias Rodrigues e Miguel Prudêncio.
 

 

O Prémio CESPU 2007, no valor de 30 mil euros, distinguiu com uma menção honrosa o investigador Mário de Sousa, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, da Universidade do Porto, pelo trabalho desenvolvido na área da micro-injecção intracitoplasmática de espermatozóides. Elsa Logarinho e Hassan Bousbaa, da Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho, foram também distinguidos com uma menção honrosa pela investigação sobre o papel da proteína BUB3 no controlo da transferência de material genético durante a replicação celular.
 

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.