Influência dos genes na resposta ao medicamento contra tuberculose

Estudo da Universidade de Coimbra

23 fevereiro 2012
  |  Partilhar:

A Universidade de Coimbra (UC) está a estudar a influência dos genes na capacidade do organismo em eliminar um medicamento, utilizado no tratamento da tuberculose, dado que estes geram por vezes complicações hepáticas.

 

A Universidade refere tratar-se de um “estudo pioneiro a nível internacional”, iniciado há dois anos e que envolve uma equipa multidisciplinar de especialistas em pneumologia, farmacologia e genética.

 

A capacidade de o organismo eliminar o medicamento, tendo em conta o perfil genético do paciente, pode influenciar os efeitos secundários do fármaco.

 

Os investigadores estão a estudar o gene NAT2 e as suas variantes para permitir a definição da dose adequada para cada doente, de forma a evitar o surgimento de complicações hepáticas, por vezes fatais.

 

“Estudamos as variantes genéticas do NAT2, que corresponde a uma enzima que vai degradar o medicamento. Se a enzima é pouco ativa o medicamento atinge concentrações muito elevadas no sangue e pode provocar efeitos secundários, nomeadamente ao nível do fígado, obrigando por vezes a um transplante”, revelou à agência Lusa Henriqueta Coimbra, que coordena a investigação.

 

Nos casos em que a enzima é muito ativa, o medicamento é rapidamente eliminado mas, tendo em conta que “os doentes tuberculoses têm em geral dificuldades em seguir a medicação, pode aumentar o risco de ineficácia da terapêutica, gerando resistências à tuberculose”, alerta a especialista em genética.

 

Adequar a dose do medicamento de acordo com o genótipo do paciente pode ser determinante na eficácia da terapêutica e nos efeitos secundários, referiu Henriqueta Coimbra.

 

Os investigadores irão agora avaliar uma centena de doentes com tuberculose, divididos em dois grupos: um a quem será administrada uma dose do medicamento adequada ao genótipo e outro em que esse fator não é tido em conta.

 

“Até agora, apenas grupos de controlo foram estudados, não se tentou aplicar os estudos à fase clínica”, disse a investigadora.

 

Portugal tem a “maior taxa de incidência de tuberculose da comunidade europeia” e “mais de metade da sua população tem um perfil genético que favorece a acumulação excessiva do medicamento” utilizado na terapêutica – o Isoniazida -, considerado “o mais potente e eficaz existente no mercado” para tratar a doença, alertou.

 

O facto de alguns doentes tratados com Isoniazida desenvolverem lesões hepáticas graves ou mesmo irreversíveis foi o ponto de partido da investigação.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.