Inflamação: nanopartículas mostram-se promissoras

Estudo publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences”

21 março 2013
  |  Partilhar:

Investigadores americanos desenvolveram nanopartículas biodegradáveis capazes de combater eficazmente a inflamação, refere um estudo publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences”.
 

A inflamação é um mecanismo de defesa natural do organismo contra organismos invasores e lesões dos tecidos. Na inflamação aguda, os patogénios ou os medidores inflamatórios são eliminados e a homeostasia é atingida. No entanto, em estados inflamatórios crónicos, esta resposta é alterada conduzindo à inflamação crónica e danos nos tecidos.
 

Os investigadores acreditam que esta alteração no processo inflamatório é um fator importante para o desenvolvimento de várias doenças devastadoras como a aterosclerose, artrite, doenças neurodegenerativas, para além do cancro. Uma vez que o nível de inflamação nestas doenças é muito elevado, são necessárias soluções terapêuticas direcionadas para ajudar a manter a inflamação circunscrita.
 

Neste estudo, os investigadores do Brigham and Women's Hospital, Columbia University Medical Center, Icahn School of Medicine e do Massachusetts Institute of Technology, nos EUA, desenvolveram nanofármacos com um tamanho inferior a 100 nm (100.000 vezes menores do que o diâmetro de um fio de cabelo humano), que são capazes de encapsular e libertar um peptídeo anti-inflamatório.
 

Os investigadores demonstraram que, em experiências realizadas em ratinhos, estas nanopartículas são capazes de atingir seletivamente os tecidos danificados e libertar o seu conteúdo de uma forma controlada, ao longo do tempo.
 

O estudo refere que estas nanopartículas foram desenhadas para atingir o microambiente extracelular dos tecidos inflamados. Posteriormente, as partículas libertam o seu conteúdo, o qual é difundido através do tecido danificado. Os fármacos ligam-se aos recetores da membrana plasmática dos leucócitos ativados tornando-os mais quiescentes.
 

"A vantagemdesta abordagem é que tira partido do próprio organismo para impedir a inflamação induzida, que, contrariamente a muitas outras estratégias anti-inflamatórias, não compromete a defesa do hospedeiro e promove a reparação dos tecidos”, conclui, o líder do estudo, Ira Tabas.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.