Importação chega à genética

Neurologista obtem 1ª autorização para importar células mãe

26 dezembro 2002
  |  Partilhar:

O Instituto Robert Koch de Berlim concedeu ao neurologista Oliver Brustle, de Bona, a primeira autorização de importação de células mãe extraídas de embriões humanos.
 

 

A autorização ocorre quase um ano após o Parlamento ter autorizado, sob fortes restrições, a aquisição de células.
 

 

Brustle, um dos pioneiros na Alemanha da experimentação com células embrionárias de ratos, foi o primeiro cientista do país a pedir autorização para investigar com células humanas.
 

 

O investigador anunciou hoje que tenciona começar as investigações no início de Janeiro com as células encomendadas ao laboratório do ginecologista israelita Jospeh Itskovitz, de Haifa.
 

 

Explicou que pretende multiplicar as células e definir protocolos de diferenciação, para mais tarde tentar o cultivo de neurónios com o objectivo de experimentar as suas propriedades na cura de doenças como Parkinson.
 

 

O Parlamento alemão aprovou em 30 de Janeiro a importação, sob estrita supervisão, de células mãe humanas, mas não a sua obtenção em território nacional.
 

 

Um dia após a aprovação da lei, o Conselho Superior de Investigação deu luz verde ao pedido de Brustle, que teve de esperar, contudo, até que se constituíssem e começassem a funcionar as comissões para a vigilância e supervisão dos projectos de investigação.
 

 

O caso de Brustle atraiu a atenção pública, uma vez que o cientista, um dos mais prestigiados do país, havia ameaçado abandonar a Alemanha se o Parlamento proibisse a importação das células.
 

 

Fonte: Lusa
 

 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.