Igreja não aprova Distanásia

Colóquio "Eutanásia e o direito à vida"

27 janeiro 2009
  |  Partilhar:

Num colóquio sobre "Eutanásia e o direito à vida", organizado pela Associação Portuguesa de Psicogerontologia (APP), o coordenador nacional da Pastoral da Saúde, padre Vítor Feytor Pinto, considerou os tratamentos que "prolongam exageradamente" o processo de morte das pessoas completamente "inúteis, fúteis e desproporcionados".
 

 

"A Igreja é contra a eutanásia [precipitação da morte], mas também contra o prolongamento exagerado da vida [distanásia], contra o encarnecimento terapêutico", afirmou o padre Vítor Feytor Pinto em declarações à Lusa, acrescentando que muitas vezes o “aguentar afectivamente uma pessoa leva a tratamentos completamente inúteis, fúteis, desnecessários e desproporcionados".
 

 

O mesmo responsável sublinhou que a Igreja "não tem problemas em falar sobre a eutanásia".
 

 

"A reflexão sobre o direito à vida e o direito a morrer com dignidade é um problema extremamente interessante, que deve ser assumido não só no plano intelectual, mas também no plano prático, para ver que soluções existem para esta interrogação. Mas nunca se deve esquecer a dimensão ética da questão", referiu.
 

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.