Identificados genes que impedem o desenvolvimento da leucemia

Estudo publicado no “Journal of Experimental Medicine”

10 dezembro 2015
  |  Partilhar:
Investigadores do Reino Unido identificaram os genes que atuam como travões no desenvolvimento de uma forma agressiva da leucemia. O estudo publicado no “Journal of Experimental Medicine” fornece novas informações sobre a doença e poderá conduzir a novas terapias para prevenção de recidivas.
 
Os investigadores da Universidade de Edinburgh, no Reino Unido, descobriram que as moléculas Hif-1alfa e Hif-2alfa funcionam conjuntamente para impedirem a formação de células estaminais leucémicas no tipo agressivo de cancro do sangue conhecido por leucemia mieloide aguda.
 
Este tipo de cancro ocorre quando a produção de novas células sanguíneas pela medula óssea fica afetada, o que conduz à formação de células estaminais leucémicas, que alimentam a doença e fornecem um fluxo constante de células leucémicas anormais.
 
No estudo, os investigadores, liderados por Kamil R Kranc, verificaram que o bloqueio da Hif-2alfa ou da Hif-1alfa e da Hif-2alfa acelerava o desenvolvimento da leucemia. Estes resultados são surpreendentes uma vez que estudos anteriores tinham sugerido que o bloqueio destas duas moléculas poderia parar a progressão da doença.
 
Contudo, estes novos resultados sugerem que as terapias desenvolvidas para bloquear a Hif-1alfa e a Hif-2alfa podem não ter impacto ou até piorar a doença. Por outro lado, o desenvolvimento de terapias com capacidade para promover a atividades destas duas moléculas poderá ajudar a tratar a leucemia mieloide aguda ou impedir a recidiva da doença após a quimioterapia.
 
Os fármacos quimioterápicos podem ajudar a eliminar as células da leucemia, mas não têm efeito nas células estaminais leucémicas que causam a doença. Desta forma os pacientes com este tipo de cancro apresentam por vezes recidivas. 
 
“A descoberta de que a Hif-1alfa e a Hif-2alfa atuam conjuntamente para parar o desenvolvimento da leucemia é um marco importante nos nossos esforços para combater a leucemia. Agora, queremos aproveitar este conhecimento para desenvolver terapias curativas que eliminem as células estaminais leucémicas, que são a causa subjacente da leucemia mieloide aguda”, disse, em comunicado de imprensa, Kamil R Kranc.
 
De acordo com o primeiro autor do estudo, Milica Vukovic, a leucemia é um termo que abarca um número vasto de doenças diferentes e complicadas. Tendo em conta o papel da Hif-1alfa e da Hif-2alfa na supressão da leucemia mieloide aguda será, na opinião do investigador, muito interessante analisar a sua função noutras leucemias.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.