Identificada célula importante para o combate de infeções bacterianas

Estudo publicado na revista científica “Nature”

18 julho 2012
  |  Partilhar:

Apesar dos esforços continuados por parte das autoridades de saúde pública, surtos de Escherichia coli (E. coli) continuam a infiltrar-se na cadeia de fornecimento alimentar, provocando inúmeros casos de doença e até de morte em todo o mundo. Contudo, recentemente, cientistas do La Jolla Institute for Allergy & Immunology, nos EUA, divulgaram na revista “Nature” ter descoberto um novo papel, até ao momento desconhecido, de uma molécula no combate à E. coli e a outras infeções bacterianas.
 

“Descobrimos que uma determinada molécula, expressa pelas células que revestem a superfície dos pulmões e intestino, e conhecida como HVEM, desempenha um papel fundamental na proteção do corpo contra a E. coli, pneumococos e outras infeções bacterianas que entram no nosso organismo através do revestimento do trato respiratório ou intestinal”, informou Mitchel Kronenberg, presidente e coordenador científico do La Jolla Institute e líder da investigação. “Descobrimos que a HVEM atua nestas células como um guarda fronteiriço que responde perante a presença de bactérias invasoras e alerta o sistema imunitário para enviar reforços. Sem a sua participação na barreira protetora epitelial, o corpo poderia ser invadido por certas bactérias causadoras de doença” revelou o cientista.
 

Neste estudo, os investigadores utilizaram ratinhos que foram geneticamente alterados para não expressarem a HVEM. Quando expostos a pneumococos ou agentes patogénicos característicos da sua espécie, mas muito semelhantes à E. coli, a deficiência em HVEM conduziu a uma suscetibilidade aumentada em relação a infeções, a maior carga bacteriana e a um comprometimento significativo da barreira mucosa. “É espantosa a semelhança de respostas tanto nos pulmões como nos intestinos”, referiu Kronenberg. “Os ratinhos sem HVEM foram incapazes de responder de forma eficaz em ambos os locais e o défice não foi só significativo, mas quase imediato no período de dois dias após a exposição aos microrganismos.”
 

A ação das células epiteliais na proteção das fronteiras mucosas do corpo contra infeções já era conhecida. Contudo, desconhecia-se que a HVEM possuísse um papel fundamental na ativação da resposta antibacteriana por parte das células epiteliais. “Descobrimos que a HVEM e outro recetor (o recetor da IL-22) necessitam de atuar em conjunto nas células epiteliais para despoletar a proteção imunológica. Sem a ação concertada destes dois recetores, o corpo não teria capacidade para enfrentar a infeção”, afirmou Kronenberg.
 

Os autores do estudo esperam que esta descoberta conduza ao desenvolvimento de novos tratamentos e vacinas contra infeções bacterianas. Embora a investigação se tenha centrado na E. coli e pneumococos (também conhecidos como Streptococcus pneumoniae), os cientistas acreditam que a HVEM se encontra envolvida na proteção do corpo contra muitas outras bactérias e microrganismos perigosos.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.