Hospitais privados sem Livro de Reclamações

DECO considera que os utentes estão desprotegidos

14 setembro 2002
  |  Partilhar:

Se se dirigir a um estabelecimento privado de saúde e for mal atendido, não estranhe a inexistência do livro de reclamações. É que, apesar da lei exigir, desde 1993, esta formalidade, o livro ainda não existe porque o Ministério da Saúde (MS) não aprovou um modelo único para as instituições privadas, revelou ao PÚBLICO uma fonte da Direcção-Geral de Saúde (DGS). "Alguns estabelecimentos não têm livro de reclamações, enquanto outros decidiram fazê-lo por iniciativa própria, mas sem a fiscalização da DGS", explicou a mesma fonte.
 

 

Foi com esta situação que Mário Santos se deparou quando, na passada terça-feira, se dirigiu ao Hospital Privado dos Clérigos, no Porto, para uma consulta de Neurocirurgia (ver caixa). Quando chegou ao hospital, uma funcionária informou-o de que o médico já tinha saído e registou na ficha de presença que o atendimento não tinha sido possível devido ao atraso do paciente. Mário Santos não gostou e solicitou o livro de reclamações.
 

 

Leia mais sobre esta notícia no Público

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.