Hormona regula o apetite por doces e álcool

Estudos publicados na revista “Cell Metabolism”

31 dezembro 2015
  |  Partilhar:
Ao longo desta época festiva os bolos, os biscoitos, as guloseimas e álcool parecem ser ainda mais irresistíveis. Estudos publicados na revista “Cell Metabolism” identificaram uma hormona produzida pelo fígado que regula o apetite por doces e álcool.
 
Ao longo dos últimos 50 anos, o fígado tem sido associado à regulação do consumo e preferência de alimentos. Estudos anteriores demonstraram que o fator de crescimento do fibroblasto 21 (FGF21), uma hormona produzida pelo fígado, desempenhava um papel importante neste processo e que as variações no gene FGF21 poderiam fazer com que pessoas tivessem preferências por macronutrientes distintos.
 
Num dos estudos os investigadores da Universidade de Iowa, nos EUA, e da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, decidiram analisar os mecanismos que regulam o apetite por alimentos açucarados tendo estudado o papel da FGF21 na regulação da preferência alimentar.
 
Após terem realizado experiências em ratinhos de forma a avaliar de que modo a FGF21 regulava o consumo de açúcar, os investigadores verificaram que o fígado produzia FGF21 em resposta ao consumo de alimentos açucarados. A FGF21 entra na corrente sanguínea e reprime seletivamente o apetite pelo açúcar atuando no hipotálamo, uma parte do cérebro que regula o consumo de alimentos e a homeostasia energética.
 
No outro estudo os investigadores da Universidade do Texas, nos EUA, analisaram o papel da FGF21 em ratinhos e em macacos. Mais uma vez verificou-se que a FGF21 influenciava a preferência por doces e álcool.
 
Os investigadores, liderados por Steven Kliewer, verificaram que a administração de uma única dose de FGF21 aos macacos fazia com que estes animais perdessem o interesse por água açucarada. Experiências similares demonstraram uma diminuição no interesse pelo álcool. Por outro lado, verificou-se que a FGF21 não afetava a resposta aos ácidos gordos e ao sabor amargo. Estes resultados também reforçam a ideia de que o controlo do apetite é algo que envolve o organismo no seu todo.
 
Uma vez que os dois estudos sugerem que a FGF21 pode impedir o consumo excessivo de açúcar, os investigadores sugerem que esta hormona pode talvez ser utilizada para tratar a obesidade e a diabetes tipo 2.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.