Hormona feminina pode ser chave para novo contraceptivo

Estudos publicados na “Nature”

21 março 2011
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores internacional descobriu o mecanismo molecular que permite aos espermatozóides fecundar os óvulos, dão conta dois estudo publicados em simultâneo na “Nature”.
 

Os espermatozóides fazem um longo percurso até conseguirem alcançar o óvulo. Mas, só um entre milhões consegue chegar aos trompas de falópio, onde o óvulo está à espera de ser fertilizado. Contudo, para conseguir concluir o seu objectivo, o espermatozóide tem ainda de atravessar uma camada gelatinosa de muco e de células que rodeiam o óvulo.
 

Neste dois estudos realizados por investigadores dos EUA e da Alemanha foi descoberto que as células que rodeiam o óvulo libertam progesterona, uma hormona sexual feminina, a qual tem um papel fundamental na fecundação do óvulo. Os cientistas descobriram que esta hormona activa um canal molecular sensível ao pH, denominado por CatSper, que induz um influxo de iões cálcio nos espermatozóides, facto que se traduz num aumento da actividade dos espermatozóides. Polina Lishko, líder de um dos estudos, revelou, em comunicado, que os ratinhos que não apresentam este canal são inférteis.
 

 

A equipa liderada por Polina Lishko, da University of California, em San Francisco, EUA, desenvolveu uma forma de medir a corrente eléctrica, criada pelos iões de cálcio, nos espermatozóides. O estudo constatou que a adição de progesterona aos espermatozóides aumentava a corrente eléctrica e que o tratamento destes com um fármaco capaz de bloquear o CatSper a reduzia. Ao  submeter as células a pH elevados, como aquele encontrado em torno do óvulo, também conduziu à activação da CatSper.
 

Uma segunda equipa, liderada por Benjamin Kaupp, um biofísico do Centro Europeu de Estudos e Investigação Avançados, em Bona, na Alemanha, chegou à mesma conclusão. Ao medirem os níveis de cálcio nos espermatozóides humanos verificaram que os efeitos da administração da progesterona são quase instantâneos. De acordo com o investigador, esta acção é tão rápida que sugere que é o próprio CatSper que detecta a hormona e aumenta os níveis de cálcio.
 

 

Em comunicado enviado à imprensa, os investigadores revelam que “este é realmente um passo importante em termos do conhecimento do que regula os espermatozóides”. Acrescentando que o bloqueio do CatSper pode ser encarado como o contraceptivo ideal.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.