Homens que não se barbeiam fazem menos sexo...

e têm maior propensão para sofrer ataque cardíaco ou AVC

11 fevereiro 2003
  |  Partilhar:

Se não costuma fazer a barba todos os dias, ou, se não tem pêlos suficientes para se barbear diariamente, esta notícia pode interessar-lhe. É que, dizem os cientistas, quem não cumpre este ritual tipicamente masculino possui uma vida sexual menos activa, bem como correm um risco 70 por cento maior de sofrer um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral (AVC).
 

 

Esta é a conclusão de um estudo efectuado por uma equipa da Universidade de Bristol que analisou a relação entre o acto de se barbear, as doenças coronárias e os acidentes vasculares cerebrais em 2.438 homens, de meia idade, do País de Gales.
 

 

Durante 20 anos de estudo, 835 mortes foram registradas entre o grupo investigado, informaram os autores do trabalho, no American Journal of Epidemiology.
 

No total, 45 por cento dos homens que não se barbeavam diariamente morreram, comparado com os 31 por cento dos que faziam a barba todos dos dias.
 

 

A maioria das mortes, segundo o estudo, também estava relacionada com os altos índices de tabagismo e a estilos de vida mais pobres dos homens que não se barbeavam diariamente, mas os cientistas referiram que esse facto não explicava o aumento dos AVCs.
 

 

Por isso, adianta a equipa, a associação com o acidente vascular cerebral não diminuiu após serem postos de lado factores de estilo de vida, mas o vínculo continuou sem explicação. Para os investigadores, uma possível explicação para o maior risco de AVCs seria o facto de os níveis de circulação das hormonas sexuais no corpo terem uma influência das concentrações do ateroma, que é a placa de gordura que se deposita nas artérias.
 

 

A investigação ainda mostrou que os homens que não se barbeiam diariamente têm menos possibilidades de estar casados e, provavelmente, realizam trabalhos nos quais não se exige uma boa apresentação.
 

 

Além disso, adianta o estudo, os homens que não se barbeiam registram menos orgasmos e os que os experimentam tendem a ser mais curtos. Para o professor Shah Ebrahim, do
 

Departamento de Medicina Social, a baixa frequência de orgasmo nos homens que não se barbeiam regularmente poderia ser explicada por baixas concentrações de testosterona ou, simplesmente, pelo facto de que não estavam casados e, por isso, terem menos oportunidades de manter relações sexuais.
 

 

Ebrahim explicou que a relação entre os hormonas sexuais que circulam pelo corpo dos homens e o crescimento da barba foi estabelecido pela primeira vez quando um habitante de uma remota ilha em Hébridas, um arquipélago ao oeste da Escócia, percebeu que sua barba crescia mais vigorosamente quando se encontrava com sua namorada.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 1
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.