Homens altos têm maior risco de contrair cancro da próstata

Estudo relaciona altura com risco moderado de doença

20 fevereiro 2003
  |  Partilhar:

Depois dos 50 anos, os homens altos têm um risco maior de contrair cancro da próstata do que os mais baixos, segundo um estudo norte-americano, divulgado na quarta-feira sobre a relação entre cancro e altura.
 

 

Embora maior, o risco é moderado para os homens mais altos. Segundo o autor do estudo, o epidemiologista John Gaziano, estas descobertas são, até certo grau, preliminares. «Mas vimos um modesto aumento no risco. Pelo que, levanta a possibilidade da existência de uma associação entre altura e o risco de cancro».
 

 

Segundo Gaziano ainda é muito cedo para descobrir as razões pelas quais a estatura pode ser um factor para o desenvolvimento do cancro da próstata, mas adianta o especialista a dieta e factores genéticos também podem ter alguma relação com a doença.
 

 

Utilizando dados de um estudo de saúde de mais de 22 mil médicos norte-americanos, investigadores do Brigham and Women''s Hospital, em Boston, avaliaram a relação entre tamanho do corpo e idade com o risco de cancro da próstata em 1.634 homens que contraíram a doença.
 

 

No entanto, a taxa de mortalidade da doença é relativamente baixa. Isto porque trata-se de um cancro com desenvolvimento lento e fácil de curar se tratado logo na fase inicial.
 

 

A idade média em que um homem é diagnosticado com cancro da próstata é de 70 anos, mas pessoas com histórico familiar da doença têm maior risco de contraí-la. Os investigadores de Harvard observaram três categorias de altura: abaixo de 1,78 metro, entre 1,78 e 1,80, e acima de 1,80 metro. A idade foi dividida entre abaixo dos 50 anos, entre os 50 e 59, e acima dos 60.
 

 

Os resultados, revelados durante um encontro no Colégio Americano de Medicina Preventiva, em San Diego, indicaram que a altura parece aumentar de 23 a 43 por cento o risco de cancro da próstata, mas apenas acima da idade de 50 anos.
 

 

O risco relativo é bastante moderado se comparado com outros grupos mais vulneráveis. Homens com histórico familiar deste tipo de cancro têm um aumento de 200 a 300 por cento no risco de contrair a doença, disse Gaziano. «Espero que estes resultados sejam confirmados em outros estudos, e levem alguém a avaliar se há uma predisposição genética para o cancro ou um factor genético», disse o investigador.
 

 

O cancro da próstata é a segunda maior causa das mortes por cancro nos Estados Unidos. Estima-se que sejam diagnosticados este ano, nos EUA, cerca de 220 mil novos casos de cancro da próstata, e cerca de 30 mil deverão morrer da doença em 2003.
 

 

Em Portugal, o cancro da próstata, o segundo mais mortal nos homens, foi responsável por 1.500 mortes em 1995, um número que subiu para 1.700 em 1999. As estimativas apontam ainda para que em 2000 existissem 130 mil homens com cancro da próstata, o que representa 2,6% da população masculina.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.