Hipotálamo: a fonte do envelhecimento

Estudo publicado na revista “Nature”

06 maio 2013
  |  Partilhar:

Investigadores americanos podem ter encontrado a fonte do envelhecimento, uma região do cérebro conhecida por hipotálamo, dá conta um estudo publicado na revista “Nature”.
 

“Há muito que os cientistas se questionam se o envelhecimento ocorre de forma independente nos vários tecidos do organismo ou se pode ser regulado por órgão específico. O nosso estudo sugere que muitos dos aspetos deste processo pode ser controlados no hipotálamo”, revelou, em comunicado de imprensa o líder do estudo, Dongsheng Cai.
 

O hipotálamo é uma estrutura cerebral que desempenha um papel importante no crescimento, desenvolvimento, reprodução e metabolismo. Os investigadores da Yeshiva University, nos EUA, suspeitaram que esta estrutura poderia ter um papel importante no processo de envelhecimento, através da sua influência no organismo.
 

O investigador explica que à medida que as pessoas envelhecem, há alterações inflamatórias em vários tecidos. A inflamação está também envolvida em várias doenças associadas à idade, como a síndrome metabólica, doenças cardiovasculares, doenças neurológicas e vários tipos de cancro. Os autores deste estudo já tinham demonstrado que as alterações inflamatórias ocorridas no hipotálamo poderiam conduzir a vários componentes da síndrome metabólica.
 

De forma a averiguar se hipotálamo poderia também afetar o envelhecimento, os investigadores estudaram a inflamação desta estrutura cerebral tendo-se focado numa via de sinalização conhecida por NF-kB. Foi observado que a ativação desta via, em ratinhos, acelerou significativamente o envelhecimento, tendo sido demonstrado através de vários testes fisiológicos, cognitivos e comportamentais.
 

Por outro lado, a inativação da via do NF-kB no hipotálamo dos animais conduziu a um envelhecimento mais lento e aumentou a longevidade média em cerca de 20%, em comparação com o grupo de controlo. Foi ainda verificado que a ativação desta via conduzia a uma diminuição dos níveis da hormona libertadora de gonadotrofinas (GnRH), sintetizada no hipotálamo.
 

Partindo do pressuposto que a GnRH poderia contribuir para o envelhecimento, os investigadores injetaram esta hormona no hipotálamo dos animais, tendo observado que a GnRH os protegia de alterações na neurogénese associadas ao envelhecimento.
 

De acordo com Dongsheng Cai, o aumento da longevidade e os tratamentos de doenças associadas ao envelhecimento podem ser conseguidos evitando a inflamação causada pelo hipotálamo e aumentando a neurogénese através da GnRH.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 2Média: 4
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.