Hepatite C em debate em Lisboa

I Simpósio Internacional de Hepatites Víricas de Lisboa 2002 inicia-se hoje

22 janeiro 2002
  |  Partilhar:

Qual a evolução da Hepatite C em Portugal e quais as consequências da Co-Infecção HIV/Hepatite C? Que medidas podem ser tomadas para travar a evolução desta epidemia?
 

Estas são algumas das questões que irão ser abordadas num encontro que hoje decorre em Lisboa e que conta com a presença da Abraço e a organização do I Simpósio Internacional de Hepatites Víricas de Lisboa 2002.
 

 

A Hepatite C Crónica é uma doença infecciosa extremamente contagiosa e assintomática em mais de 80 por cento da população infectada, com poucas ou nenhumas
 

manifestações exteriores, sendo a principal causa de cirrose hepática, carcinoma hepato-celular e de transplante hepático na Europa e nos EUA. Os mais reputados especialistas nesta área em Portugal estimam que mais de 150
 

mil portugueses estejam infectados com o vírus da Hepatite C.
 

 

Com uma prevalência superior a 60 por cento na população toxicodependente à menos de um ano e superior a 80 por cento nessa mesma população com mais de um ano de
 

Toxicodependência activa, esta doença não é contudo, exclusiva desta população.
 

 

O risco de existirem muitas pessoas infectadas na população transfusionada antes de 1992, nos Hemófilicos e nos insuficientes renais que recorrem à hemodiálise, urge que se tomem medidas de rastreio sistemático para se saber o ponto da situação.
 

 

Mais recentemente com o advento da moda do Body-Piercing, e das tatuagens numa população essencialmente jovem e que constituiem o futuro deste pais, urge que se tomem medidas de carácter informativo de forma a que este tipo de actividade tomem as medidas necessárias para se impedir que possam ser uma fonte potencial de contágio da Hepatite C.
 

 

Calcula-se em mais de três milhões as pessoas infectadas na União Europeia com o vírus da Hepatite C, sendo que em muitos países na União já se elegeu a Hepatite C como um dos 10 mais importantes problemas de Saúde Pública a
 

combater neste início de Século.
 

 

Dada a dimensão que o problema está a tomar, implica que se não se tomarem medidas concretas no curto prazo,
 

estima-se que os doentes com cirrose Hepática e Carcinoma Hepato-celular duplicarão dentro de 10 a 15 anos e que será impossível dar conta de todos os pacientes com necessidade um transplante Hepático.
 

 

MNI - Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.