Hemofilia: Portugal não cumpre duas recomendações europeias

Acusa a Associação Portuguesa de Hemofilia

23 outubro 2014
  |  Partilhar:
Portugal viola duas recomendações do Conselho Europeu para o tratamento da hemofilia, como a compra de fatores de sangue apenas com base no critério do preço, defende a Associação Portuguesa de Hemofilia.
 
“A compra de fatores do sangue não pode ser apenas baseada no critério do preço, como acontece atualmente em muitas unidades hospitalares, mas também em critérios essenciais como a eficácia, qualidade e segurança”, revela a associação em comunicado ao qual agência Lusa teve acesso.
 
De acordo com a Associação Portuguesa de Hemofilia e de outras Coagulopatias Congénitas, a outra recomendação que não é cumprida é a da “criação de um Conselho Nacional de Hemofilia”. 
 
A associação acredita que a existência de um Conselho Nacional de Hemofilia possibilitaria a existência em Portugal de um órgão colegial em Portugal, que envolvesse associações de doentes, médicos e Ministério da Saúde, e permitiria traçar um plano nacional para a hemofilia que possibilitasse uma maior harmonização de tratamentos para otimizar custos.
 
O não cumprimento da outra recomendação que aponta para que a compra dos fatores de sangue não se baseie somente no seu preço, “afigura-se extremamente grave, por deixar nas mãos de critérios economicistas a escolha do tratamento para a hemofilia e não critérios essenciais como a eficácia e a segurança”, alertam os responsáveis. 
 
“Estes dois critérios ou o seu não cumprimento em Portugal, afastam-nos do nível básico do tratamento da hemofilia e outros distúrbios hemorrágicos que se pretendem numa base comum europeia”, refere ainda a associação.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.