H7N9: detetada possível transmissão entre humanos

Estudo publicado no “British Medical Journal”

09 agosto 2013
  |  Partilhar:

Investigadores chineses dão conta da primeira e provável transmissão do vírus das gripes das aves A (H7N9) entre humanos, dá conta um estudo publicado no “British Medical Journal”.
 

O vírus H7N9 foi recentemente identificado na zona este da China. Em 30 junho de 2013 foram notificados 132 casos de infeção por este vírus, os quais conduziram à morte de 43 indivíduos. A maioria dos casos ocorreu em pessoas que tiveram contacto com aves vivas sete a dez dias antes do início da doença. Atualmente não há nenhuma evidência definitiva que apoie, de forma sustentada, a transmissão do H7N9 entre humanos.  
 

Contudo, neste estudo os investigadores do Centro de Controle de Doenças, na província de Jiangsu, revelaram que o vírus pode ter sido transmitido pela primeira vez de pai para filha, em março de 2013.
 

O homem de 60 anos, que frequentava com regularidade um mercado de aves, ficou doente cinco a seis dias após o último contacto com as aves, tendo sido hospitalizado a 11 de março. A filha de 32 anos, que nunca tinha estado exposta a aves de capoeira, teve contacto direto com o pai antes da sua admissão nos cuidados intensivos. Seis dias após este contacto foi admitida no hospital.
 

O estudo refere que os dois parentes acabaram por morrer, tendo sido isoladas duas estirpes idênticas do vírus, sugerindo uma transmissão de pai para filha. As 43 pessoas que tiveram contato com os dois pacientes foram submetidas a testes, mas apenas uma teve uma infeção moderada.
 

Os investigadores reconhecem que este estudo tem algumas limitações, mas acreditam que a explicação mais provável para estes dois casos de infeção por H7N9 seja realmente a transmissão de pai para filha. “No entanto, o vírus não adquiriu a capacidade de ser transmitido de forma sustentada de pessoa para pessoa”, revelaram os investigadores.
 

“A transmissão limitada entre humanos não é surpreendente e não indica necessariamente que o vírus esteja em vias de desenvolver uma transmissão sustentada entre os humanos”, revelaram os investigadores James Rudge e Richard Coker da London School of Hygiene and Tropical Medicine, no Reino Unido.
 

Contudo, os investigadores mencionam que as várias características do H7N9 são particularmente preocupantes e concluem que apesar de os resultados deste estudo não sugerirem que o H7N9 está próximo de causar uma pandemia “lembra que é necessário permanecer extremamente vigilantes e que definitivamente a ameaça associada ao H7N9 ainda não passou”.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.