Gravidez tardia e doenças graves são determinantes nas mortes maternas

Dados revelados pela Direção-Geral da Saúde

27 dezembro 2019
  |  Partilhar:
Doenças graves em mulheres jovens e gravidezes depois dos 35 anos foram os dois padrões fundamentais encontrados numa análise da Direção-Geral da Saúde (DGS) às 26 mortes maternas ocorridas em 2017 e 2018, anunciou a agência Lusa.
 
A DGS registou 15 mortes em 2018, 11 em 2017, com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a referir que “existe uma certa estabilidade” nos números que “são pequenos”.
 
Para fazer a análise das causas das 26 mortes, uma equipa de médicos deslocou-se em junho e julho aos hospitais para, “com todo o sigilo e respeito por estas mortes”, analisar os processos clínicos, disse Graça Freitas, que apresentou as conclusões da análise aos óbitos maternos ocorridos em 2017 e 2018.
 
"Feita toda a análise estatística encontraram-se dois padrões muito importantes: mulheres que engravidam depois de 35 anos e mulheres relativamente jovens ou mesmo jovens, mas portadoras de doenças graves", salientou.
 
De acordo com a diretora-geral da Saúde, o padrão das mulheres mais velhas já era conhecido. "Estas mulheres têm uma característica interessante em relação às outras. Habitualmente levam a gravidez até ao termo e bastantes destes óbitos ocorrem depois do puerpério”, que é contabilizado até 42 dias após o parto.
 
O outro padrão, que constitui uma “novidade epidemiológica”, tem a ver com mulheres relativamente jovens ou mesmo jovens, mas portadoras de doenças graves e que, entretanto, engravidaram e morreram durante a gravidez, adiantou Graça Freitas.
 
“Algumas destas pessoas nem sabiam que estavam grávidas e tudo ocorreu quando deram entrada no hospital com uma complicação de uma doença de base que já tinham”, como cancro, hipertensão, doenças hemorrágicas, doenças tromboembólicas ou doença pulmonar obstrutiva crónica.
 
Cerca de 40% dos óbitos foram de mulheres mais velhas e a grande maioria dos casos ocorreu em hospitais públicos.
 
Relativamente aos óbitos ocorridos em 2019, Graça Freitas disse que há uma contabilização provisória que precisa de ser validada, mas que “serão da mesma ordem dos anos anteriores”.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar