Gravidez: a importância da vitamina C

Estudo publicado na revista “PLOS ONE”

21 novembro 2012
  |  Partilhar:

Os níveis de vitamina C durante a gravidez podem ter sérios impactos no cérebro do feto, revela um estudo publicado na revista “PLOS ONE”.
 

“É comum pensar-se que as mães podem proteger os filhos. Habitualmente há um transporte, de mãe para filho, de substâncias que o bebé necessita durante a gravidez. Contudo, no caso da deficiência de vitamina C este transporte não é suficiente. Assim é extremamente importante dar atenção a este tipo de problema, que poderá ter graves consequências para as crianças afetadas”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Jens Lykkesfeldt.
 

Neste estudo os investigadores da University of Copenhagen, Dinamarca, utilizaram porquinhos-da-Índia para estudar o efeito da deficiência de vitamina C durante a gravidez, pois tal como os humanos estes animais não são capazes de produzir esta vitamina. O estudo apurou que mesmo pequenas deficiências de vitamina C durante gravidez poderiam afetar uma zona do cérebro do feto envolvida na memória e impedir o seu normal desenvolvimento.

 

Os autores do estudo verificaram ainda que após os danos terem ocorrido, estes não podiam ser reparados mesmo que fosse administrada vitamina C após o nascimento. Os investigadores dividiram os porquinhos-da-Índia deficientes em vitamina C em dois grupos, tendo administrado esta vitamina a um dos grupos. Foi verificado que aos dois meses de idade, o que responde à adolescência nos humanos, os animais aos quais tinha sido administrado suplementos de vitamina C não demonstravam qualquer melhoria.
 

Atualmente os investigadores estão a tentar perceber quão cedo durante a gravidez a deficiência na vitamina C influencia o desenvolvimento fetal dos animais. Estudos preliminares demonstraram que o impacto é sentido desde o início da gravidez.
 

Os autores do estudo referem que existem alguns grupos de mulheres que são particularmente vulneráveis à deficiência desta vitamina. “As pessoas com um nível socioeconómico baixo, que têm uma alimentação pobre e que provavelmente também fumam, têm muitas vezes carência desta vitamina. Comparativamente, os seus filhos apresentam um maior risco de nascerem com uma capacidade de memória pouco desenvolvida. Estas crianças poderão ter problemas de aprendizagem, e num contexto social, a história repete-se pois estas crianças apresentam mais dificuldades a escapar ao ambiente em que nasceram”, conclui Jens Lykkesfeldt.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.