Grávidas podem beber café

Consumo moderado não provoca problemas ao feto

18 março 2002
  |  Partilhar:

As grávidas podem ficar descansadas. Não existe nenhuma relação entre o hábito de beber café, de modo moderado, e eventuais problemas com o feto
 

Estudos anteriores já tinham sugerido que a cafeína não oferece risco para mulheres grávidas. Agora, cientistas do Karolinska Institute e da Uppsala University acompanharam mais de 850 mulheres grávidas entre 1993 e 1998.
 

 

Os cientistas suecos concluíram não existir nenhuma relação entre o consumo de cafeína e o peso do bebé, a duração da gravidez e o crescimento do feto. O consumo de cafeína das mulheres foi medido nas fases iniciais e finais da gravidez: primeiro, entre a sexta e a 12ª semana; e, depois, entre a 32ª e a 34ª semana.
 

 

O estudo incluiu o consumo de café, chá, chocolate quente, barras de chocolate, refrigerantes e remédios que contém cafeína. "Não encontramos qualquer associação entre consumo moderado de cafeína durante a gravidez e restrição no crescimento do feto", escreveu o cientista Britt Clausson, responsável pela investigação, no American Journal of Epidemiology.
 

 

No entanto, a médica Wendy Doyle, da British Dietetic Association, lembrou à BBConline que o elevado consumo de cafeína pode aumentar o risco de aborto no início da gravidez.
 

 

Café e depressão
 

 

Ao longo das últimas décadas, o café foi apontado como um dos responsáveis por vários problemas de saúde. Mas estudos recentes vêm contrariar esta ideia. Um estudo efectuado durante 10 anos em 100 mil jovens brasileiros, constatou que, entre aqueles que tomavam uma dose de café por dia, a incidência de depressão e dependência química, era bem menor do que no grupo do abstémios da bebida.
 

 

 

Para os investigadores, as conclusões indicam que o hábito de beber café ajuda a afastar a sensação de depressão, alcoolismo e dependência de drogas. Essas vantagens estariam ligadas às substâncias denominadas por ácidos clorogénicos, que actuam exactamente nos receptores cerebrais(opióides), que quando activados pelas drogas produzem a sensação de prazer e saciedade.
 

 

Os tais ácidos actuam como bloqueadores dos opióides, que quando "desactivados", provocam a diminuição da vontade de procurar um vício. Para os cientistas, as quantidades ideais para a ingestão do café são duas doses pequenas (chávenas pequenas) de preferência diluídas no leite em jovens até aos 15 anos, quanto aos mais velhos, entre os 15 e 60 anos, as doses podem ir até aos oito cafés pequenos. Para os maiores de 60 anos, devem tomar quatro chávenas pequenas por dia. Mas o melhor é não abusar do consumo e saborear a bebida.
 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.