Grã-Bretanha recomenda não reanimar prematuros com menos de 22 semanas

Situação em Portugal é semelhante

21 novembro 2006
  |  Partilhar:

 

Um relatório publicado na Grã-Bretanha recomenda que os bebés prematuros, nascidos com 22 semanas ou menos, não sejam reanimados. Em Portugal, a reanimação de prematuros com menos de 23 semanas de gestação também é desaconselhada.
 

 

O relatório foi divulgado após dois anos de investigações efectuadas pelo Nuffield Council on Bioethics, que analisa questões éticas criadas pelos avanços na pesquisa médica.
 

 

Para os bebés com mais de 23 semanas, a recomendação do Conselho é de que os médicos considerem cada caso e analisem a situação tendo em conta o desejo dos pais. O relatório também traz orientações para os pais sobre a melhor forma de resolver disputas com médicos sobre o que deve ser feito com os seus bebés.
 

 

Em Portugal, o Conselho Nacional de Ética nunca deliberou sobre este assunto, mas a Secção de Neonatologia da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP) lançou há quatro anos um conjunto de recomendações, estabelecendo que todas as decisões devem envolver os prestadores de cuidados de saúde e os pais, a quem deve "ser fornecida informação cuidadosa, adequada, repetida e coerente", considerando que "procurar consensos é fundamental".
 

 

A SPP recomenda que "qualquer decisão deve ser baseada na idade gestacional (IG) determinada clinicamente, corroborada por resultados de uma ecografia precoce" do feto. Segundo o documento, até 2001 a situação nacional aponta "que abaixo das 23 semanas só muito esporadicamente há sobreviventes e todos com sequelas graves".
 

 

MNI-Médicos Na Internet
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.