Gordura da mãe prejudica o embrião

Estudo publicado na “PLoS ONE”

26 agosto 2011
  |  Partilhar:

A exposição dos óvulos a altos níveis de ácidos gordos saturados, presentes nos ovários de mulheres obesas e com o tipo diabetes tipo II, coloca em risco o desenvolvimento do embrião, refere um novo estudo publicado na “PLoS ONE".

 

A pesquisa - realizada por investigadores de Amberes, Bélgica, Hull, Reino Unido e Madrid - demonstrou que os embriões resultantes de óvulos expostos a altos níveis de ácidos gordos tinham menos células, alterações na expressão génica e actividade metabólica alterada: todos os indicadores de redução da viabilidade.

 

Embora o trabalho tenha sido realizado com óvulos de vacas, as descobertas podem ajudar a explicar porque as mulheres que têm doenças metabólicas como obesidade e diabetes têm dificuldade em conceber. Essas mulheres tendem a metabolizar muita gordura armazenada, resultando em altos níveis de ácidos gordos presentes nos ovários, que, segundo a pesquisa demonstrou ser tóxico para o óvulo em crescimento antes da ovulação.

 

O autor do estudo, Jo Leroy, da Universidade de Amberes, explicou em comunicado de imprensa que "é possível induzir em vacas alterações metabólicas muito semelhantes (às ocorridas na mulher) que levem à redução da fertilidade e comprometam a qualidade do óvulo; esta é uma das razões pelas quais os óvulos dos bovinos são um modelo interessante para a investigação sobre a reprodução humana."

 

Os testes foram realizados em embriões, oito dias após a fecundação, quando se tornaram no que é conhecido como blastocisto. Um dos principais indicadores de viabilidade dos embriões é a actividade metabólica, calculada através de uma análise do que consome o embrião do seu ambiente e do que liberta.

 

"A maioria dos embriões viáveis, com maiores probabilidades a originar uma gravidez bem sucedida, tem um metabolismo menos activo, particularmente em relação aos aminoácidos", explicou o co-autor da investigação, Roger Sturmey, da Universidade de Hull, acrescentando que "quando os óvulos são expostos a altos níveis de ácidos gordos, os embriões resultantes mostram uma aceleração no metabolismo de aminoácidos e um consumo alterado de oxigénio, glicose e lactato - todos os quais indicam uma regulação deficiente do metabolismo e redução da viabilidade".

 

"Estes embriões também a apresentam uma maior expressão de genes específicos relacionados com o stress celular", conclui o professor Leroy, "e apesar de os altos níveis de ácidos gordos não impedirem que os óvulos se desenvolvem para chegar à fase das duas células, observamos uma redução significativa no tempo de se desenvolverem em blastocistos”.

 

Segundo o cientista, “estes resultados acrescentam mais peso às recomendações de saúde pública que enfatizam a importância de as mulheres manterem um peso saudável antes de uma gravidez. Leroy acrescenta que "já se sabia que os altos níveis de ácidos gordos podem afectar o desenvolvimento dos óvulos nos ovários, mas esta é a primeira vez que fomos capazes de realizar um acompanhamento para mostrar o impacto negativo sobre a sobrevivência do embrião".

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.