Gordura castanha poderá ser base para combater obesidade

Estudo publicado na revista “Cell Metabolism”

29 maio 2018
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores desenvolveu uma nova técnica que analisa o armazenamento de tecido adiposo, que poderá conduzir a novos tratamentos para a obesidade.
 
A nova técnica é conhecida como “microdiálise”, foi desenvolvida por investigadores da Universidade de Edimburgo, Escócia, e serve para medir a forma como a gordura castanha gera calor no corpo.
 
A gordura castanha ou tecido adiposo castanho encontra-se em regiões mais profundas do corpo e ajuda-nos a mantermo-nos quentes quando a temperatura ambiental desce.
 
Com a nova técnica, a equipa espera que aquela capacidade de queimar calorias possa ser manipulada para travar o ganho de peso. Mas pouco se sabe sobre como funciona o processo.
 
Já se tinha usado uma técnica de imagem conhecida como tomografia por emissão de positrões-tomografia computadorizada para observar a gordura castanha em ação; no entanto não foi possível medir diretamente os fatores químicos envolvidos no tecido.
 
A técnica de microdiálise consiste em inserir um pequeno tubo numa área de tecido adiposo castanho e enchê-lo com fluído para recolher uma amostra da constituição química dos tecidos. 
 
A microdiálise foi testada em seis voluntários saudáveis. A equipa descobriu que em situações de frio a gordura castanha usa a sua própria energia armazenada e outras substâncias para gerar calor. 
 
Foi ainda observado que a gordura castanha se encontrava ativa em situações de calor, quando o organismo não necessita de gerar o seu próprio calor. Este resultado nunca tinha sido observado antes. A equipa espera que a nova técnica ajude na análise dos químicos específicos envolvidos para que percebam bem como funciona a gordura castanha.
 
“Perceber como é ativada a gordura castanha poderá revelar alvos potenciais para tratamentos que potenciem o seu poder de queimar energia, o que poderá ajudar com a perda de peso”, rematou Roland Stimson, autor principal do estudo.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar