Glaucoma: pressão ocular medida através de sensor implantado

Estudo publicado no “Journal of Micromechanics and Microengineering”

19 junho 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos estão a desenvolver um sensor que pode ser colocado permanentemente no olho e monitorizar continuamente as alterações de pressão ocular, revela um estudo publicado no “Journal of Micromechanics and Microengineering”.
 

Tal como a pressão arterial, a pressão ocular também flutua ao longo do dia. Se a pressão ocular atingir níveis elevados, podem ocorrer danos no nervo ótico, muitas vezes sem dor ou sem nenhum sinal de alerta. O aumento da pressão intraocular é o principal fator do glaucoma, uma condição que pode conduzir à perda de visão e em última instância à cegueira.
 

Na verdade, os danos são muitas vezes detetados demasiado tarde, dificultando por isso a eficácia dos tratamentos. Por outro lado, também não existe uma forma eficaz de controlar a eficácia dos tratamentos em curso. Havendo a necessidade de desenvolver técnicas de diagnóstico precoce, que também ajudem a assegurar que os pacientes estão a ser submetidos ao tratamento adequado.
 

Atualmente existem duas formas de aferir a pressão intraocular, e ambas requerem uma ida ao oftalmologista. Isto significa que os pacientes em risco de glaucoma têm de medir a pressão ocular várias vezes por ano. Foi neste contexto que os investigadores da Universidade de Washington, nos EUA, decidiram, encontrar uma forma mais de realizar estas medições.
 

Os investigadores referem que o protótipo agora desenvolvido poderá ser implantado conjuntamente com lentes artificiais durante uma cirurgia às cataratas. O sensor é capaz de detetar instantemente alterações de pressão, sendo os dados transmitidos via wireless através de ondas de radio frequência.
 

O estudo refere que o mecanismo de processamento do sensor é muito simples. O trabalho computacional mais pesado pode ser feito noutro tipo de dispositivo.
 

Apesar de o protótipo atual ser demasiado grande para ser embebido em lentes artificiais, os investigadores acreditam que este pode ser construído a uma menor escala. Os investigadores liderados por Karl F Böhringer referiram ainda que este dispositivo já foi testado com sucesso no material de silicone flexível que é utilizado para criar as lentes artificiais no âmbito da cirurgia às cataratas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.