Glaucoma: novo teste pode diagnosticar doença precocemente

Estudo publicado na revista “Ophthalmic and Physiological Optics”

15 julho 2016
  |  Partilhar:

Investigadores australianos desenvolveram um protocolo-teste que identifica o glaucoma com quatro anos de antecedência em relação às técnicas atuais, dá conta um estudo publicado na revista “Ophthalmic and Physiological Optics”.
 

O método patenteado envolve a visualização de pequenos pontos de luz com um tamanho e intensidade de luz específicos. A incapacidade de os visualizar significa a presença de pontos cegos no olho e perda precoce da visão periférica.
 

O glaucoma é uma das principais causas da cegueira irreversível e envolve a destruição lenta do nervo ótico que se encontra atrás do olho. Nos estadios iniciais os pacientes não apresentam habitualmente sintomas e não estão conscientes de que estão a desenvolver uma perda permanente da visão.
 

Michael Kalloniatis, um dos autores do estudo, explica que a causa da doença é desconhecida e não há cura, mas a progressão pode ser abrandada através de gotas oftálmicas ou cirurgia para diminuir a pressão no olho. Desta forma, a deteção e tratamento precoces são essenciais para prolongar a visão.  
 

O glaucoma é atualmente diagnosticado através de quatro testes, que incluem um teste de pressão ocular, a observação do nervo ótico, exame microscópico do segmento anterior e teste do campo visual.
 

O novo método desenvolvido pelos investigadores da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, envolve um sistema de análise do campo visual automatizado que utiliza um padrão de pontos de tamanhos diferentes, tendo em conta o facto de o olho processar de forma diferente a informação visual que se encontra fora do campo da visão central. Os sistemas de teste do campo visual atuais utilizam apenas um tamanho para medir a visão em diferentes locais do campo visual.
 

Os investigadores utilizaram este novo método em 13 pacientes com glaucoma em estadio inicial ou com danos no nervo ótico e em 42 indivíduos sem doença ocular. Comparativamente com os métodos habituais, o novo método foi capaz de detetar uma maior perda de visão.
 

“O atual método de avaliação do campo visual, que utiliza apenas pontos de um único tamanho é bom, mas não é o ideal. O nosso teste parece ser muito mais sensível na deteção de doença no estadio inicial. Espera-se que, em média, seja capaz de detetar o glaucoma quatro anos mais cedo do que o teste atual", concluiu Michael Kalloniatis.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.