Gengivite pode aumentar o tempo que uma mulher demora a engravidar

Estudo da University of Western Australia

08 julho 2011
  |  Partilhar:

A doença periodontal (inflamação crónica das gengivas) aumenta o tempo que uma mulher demora a engravidar, segundo um estudo realizado por investigadores australianos, apresentado na reunião anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia, que equipara a magnitude deste efeito negativo com o que tem a obesidade sobre as probabilidades de se alcançar uma gravidez.

 

Os investigadores australianos acompanharam um grupo de 3.737 grávidas, sendo que entre 3.416, um total de 1.014 (26%) tinham doença periodontal. 

 

Os autores analisaram dados informativos do "plano" de gravidez destas 3.416 mulheres. Verificaram que as mulheres com doença periodontal demoravam uma média de sete meses para engravidar, dois meses mais do que os cinco, em média, que as mulheres sem a condição demoraram a conceber.

 

Além disso, também verificaram que as mulheres que não eram caucasianas (brancas) e sofriam de doença periodontal tinham uma maior probabilidade de demorar um ano a engravidar, em comparação com aquelas que não apresentavam a patologia: o risco de engravidar mais tarde foi de 13,9% maior do que os 6,2% das mulheres sem a condição.

 

As caucasianas com doença periodontal também tendiam a demorar mais tempo para conceber do que aquelas que não tinham a doença, mas a diferença não foi estatisticamente significativa (8,6% de mulheres caucasianas com doença periodontal demorou um ano para engravidar, versus 6,2% das mulheres sem esta patologia).

 

Os investigadores obtiveram informações sobre o tempo de concepção de 1.956 mulheres, e dessas, 146 demoraram mais de 12 meses para conceber, um indicador de que existem problemas de fertilidade. Sobre estas mulheres, o estudo refere que apresentavam uma propensão a ter mais de 35 anos, não-caucasianas, tabagismo e a um índice de massa corporal (IMC) superior a 25 kg/m2 (excesso de peso e obesidade).

 

Segundo o líder da equipa, Roger Hart, professor de medicina reprodutiva, da University of Western Australia, este trabalho é "o primeiro a sugerir que a doença periodontal pode ser um dos factores modificáveis para melhorar as hipóteses de engravidar”.

 

Em comunicado de imprensa, o especialista sugere que os resultados deste estudo indicam que, além de tomarem as precauções que normalmente os médicos recomendam às mulheres que procuram engravidar - como parar de fumar ou tomar ácido fólico – seria positivo que essas mulheres visitassem um médico dentista para verificar a saúde das suas gengivas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.