Gene determina resposta à cafeína

Estudo publicado no JAMA

13 julho 2006
  |  Partilhar:

O efeito negativo ou positivo do café sobre a saúde depende da rapidez com que um gene pode determinar o metabolismo da cafeína, segundo um estudo divulgado na revista Journal of the American Medical Association (JAMA). O trabalho recomenda, no entanto, o consumo máximo de quatro chávenas diárias de café.
 

 

A investigação realizada por investigadores costa-riquenhos entre 1994 e 2004, com a participação de 4.024 pessoas revelou que os voluntários tinham versões diferentes do gene. "Descobrimos que nas pessoas que tinham a versão lenta, duas chávenas de café por dia significavam um maior perigo de doenças cardíacas", explicou Ahmed El-Sohemy, investigador da University of Toronto e autor do estudo.
 

 

O cientista afirmou que, com esse tipo de gene, duas ou três chávenas de café por dia aumentavam as possibilidades de ataque cardíaco em 36%. O risco subia a 64% quando o consumo era acima de quatro chávenas. Entretanto, para aqueles que tinham o gene que determinava a metabolização rápida e que bebiam entre duas a três chávenas de café por dia, as possibilidades de sofrer um ataque reduziam-se em 22%.
 

 

El-Sohemy explicou que, no início do estudo, acreditava-se que as pessoas que tinham a versão lenta do gene poderiam consumir menos café porque a cafeína permanecia mais tempo no organismo. "Mas descobrimos que não importa qual fosse a versão do gene que a pessoa tinha, este não afectava o consumo de cafeína", informou, acrescentando que “uma pessoa não pode saber qual a sua versão do gene porque, mesmo que sinta o efeito da cafeína no sistema nervoso, não pode descobrir como esta age no sistema circulatório.”
 

 

MNI- Médicos na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.