Gene de Alzheimer pode afetar saúde cognitiva na infância e adolescência

Estudo publicado na revista “Neurobiology of Aging”

23 julho 2019
  |  Partilhar:
Um gene que está associado à doença de Alzheimer poderá afetar a saúde cognitiva muito antes do que se pensava, sugere um estudo.
 
O gene, conhecido como APOE cria a proteína apolipoproteína E, a qual transporta colesterol e outros lipídeos pela corrente sanguínea. A APOE possui três versões, ou alelos. O APOE4 é um destes alelos e está presente em cerca de 15% da população. 
 
A presença do APOE4 faz aumentar o risco de Alzheimer de início tardo, ou seja, que ocorre aos 65 anos de idade ou mais tarde. Este gene está ligado a alterações nas capacidades cognitivas, que podem ser visíveis aos 50 anos de idade.
 
O presente estudo, contudo, sugere que estas alterações cognitivas começam a manifestar-se muito mais cedo, mais precisamente antes da idade adulta.
 
Chandra Reynolds e colegas, da Universidade da Califórnia em Riverside, EUA, apuraram que indivíduos com o gene APOE4 apresentaram classificações inferiores em testes que mediam o Quociente de Inteligência (QI), efetuados durante a infância e adolescência, sendo o efeito mais evidente nas raparigas do que nos rapazes.
 
Para o seu estudo, a equipa contou com dados de dois estudos que incluíam o genótipo de 1.321 participantes nos EUA quando estes tinham entre 6 anos e meio e 18 anos de idade. Os participantes tinham sido submetidos a três avaliações do QI entre a infância e a adolescência.
 
De forma geral, por cada alelo de APOE4 que os participantes apresentavam, as pontuações nos testes de QI eram mais baixas em 1,91 pontos: nos rapazes eram 0,33 pontos inferiores e nas raparigas eram quase três pontos inferiores. Uma pessoa pode ter até dois alelos de APOE4. Os traços mais afetados foram o raciocínio
 
Embora as diferenças no QI possam parecer pequenas, segundo Chandra Reynolds a longo termo estas podem significar menos reservas cognitivas à medida que o individuo envelhece, com a desvantagem de aumentarem progressivamente. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar