Fundação Champalimaud: trata 40 pacientes com cancro por dia

Número de pacientes está sempre a aumentar

18 junho 2012
  |  Partilhar:

Cerca de 40 pacientes com cancro são tratados diariamente na Fundação Champalimaud, que até ao final do ano estima receber 60 doentes por dia, para tratamentos que obrigam a menos sessões de radioterapia e permitem mais qualidade de vida.

 

No final do ano passado, o Centro Clínico Champalimaud recebeu um novo equipamento que veio permitir, nalguns casos, eliminar o cancro através de uma única sessão de radioterapia. No início, as equipas médicas tinham, em média, cinco ou seis pacientes por dia.

 

Atualmente “temos entre 40 e 45 pacientes todos os dias”, revelou à agência Lusa Carlo Greco, responsável pelo serviço de radioterapia do centro, que estima que, no final do ano, a média diária de pacientes chegue aos 60.

 

“O número de pacientes está sempre a aumentar e, por isso, vamos contratar mais médicos em breve”, revelou o diretor de investigação do centro, explicando que a redução de sessões permite receber mais doentes.

 

Uma das razões para o aumento de pacientes pode passar pela anunciada qualidade do tratamento,que segundo Carlo Greco permite menos sessões de radioterapia e melhores resultados para os doentes.

 

"O paciente tem menos complicações do que com a radioterapia convencional e maior qualidade de vida. Muitos pacientes continuam a trabalhar e a ter a sua vida social normalmente”, garantiu.

 

Segundo Carlo Greco, “em vez de 40 sessões, os doentes com cancro da próstata fazem o tratamento em 28 sessões. E, dependendo da situação clínica de cada paciente, os doentes com cancro da mama, em vez das tradicionais 30 sessões fazem 20 ou 25 sessões”.

 

O equipamento existente na Fundação Champalimaud é famoso, mas Carlo Greco lembra que "não deixa de ser uma máquina", realçando que a avaliação médica e a qualidade do planeamento de tratamento é que definem a forma de utilizar a máquina: “Não posso conduzir um carro de Fórmula 1 se não sou um piloto. É preciso um piloto para conseguir retirar o máximo do equipamento”.

 

Uma equipa internacional de investigadores e médicos, de 28 nacionalidades, fazem investigação ao mais alto nível. Neste momento, a Fundação está a tentar recrutar ainda mais investigadores.

 

A maioria dos pacientes tratados no centro tem seguros de saúde e alguns fazem parte da ADSE. Também existem pacientes enviados pelos IPO (Instituto Português de Oncologia).

 

Carlo Greco diz que na Fundação são tratados entre cinco a seis novos pacientes do IPO todos os dias e que a direção deseja "aumentar este número”.

 

A maioria dos pacientes ésão portuguesaes, mas também existem estrangeiros, “habitualmente, pessoas que costumam vir a Portugal de férias e têm casa no país”.

 

Hoje, o Centro Champalimaud recebe cientistas e médicos das mais prestigiadas instituições científicas da Europa e Estados Unidos para apresentar e debater o estado da investigação em cancro e os novos avanços.

 

Sobre a investigação em Portugal, Carlo Greco entende que o trabalho desenvolvido no centro Champalimaud é um "mundo à parte" do que se passa no resto do país: “A Fundação oferece uma plataforma única, não só em Portugal, mas em toda a Europa. Há muito poucos centros, em todo o mundo, que podem oferecer estas oportunidades.”

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.