Funcionários das termas correm riscos

Radioactividade sem controlo

29 janeiro 2002
  |  Partilhar:

Os trabalhadores dos balneários termais estão expostos a radioacatividade, que não é alvo de qualquer tipo de controlo, embora a lei comunitária seja clara quanto à obrigatoriedade de se efectuarem medições periódicas. A legislação nacional não prevê qualquer tipo de monotorização, sendo os níveis de radioactividade desconhecidos.
 

 

O acompanhamento dos trabalhadores, que deveriam usar um dosímetro que medisse os níveis de radiação, só passará a ser feito, segundo a Direcção-Geral de Saúde, quando a directiva comunitária de 13 de Maio de 1996 for transposta para o quadro jurídico português, o que até agora não se verificou.
 

 

Matos Dias, geólogo do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Coimbra, alerta para o perigo a que estão expostos os funcionários dos balneários, locais onde o radão, um gás radioactivo, se liberta da água. A propósito lembra que há mais de 40 anos é proibido fumar nas estâncias termais dos Estados Unidos. A inalação daquele gás pode ter consequências em termos respiratórios, estando demonstrada a ligação entre a exposição e o cancro do pulmão. E recorda ser nos sectores onde se faz duche rápido e Vichy que o problema se coloca com mais acuidade.
 

 

Ler mais em: Diário de Notícias
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.