Fumar na gravidez altera ADN fetal

Estudo publicado no “American Journal of Human Genetics”

06 abril 2016
  |  Partilhar:

Fumar ao longo da gravidez modifica quimicamente o ADN do feto, imitando os padrões observados nos fumadores adultos, refere um estudo publicado no “American Journal of Human Genetics”.
 

O estudo levado a cabo pelos investigadores do Instituto Nacional de Ciência da Saúde Ambiental (NIEHS, sigla em inglês), nos EUA, sugere uma possível explicação para a ligação entre o tabagismo durante a gravidez e as complicações de saúde nas crianças.
 

Para o estudo, os investigadores analisaram os resultados de 6.685 recém-nascidos e das mães. Com base em questionários, as mães foram categorizadas em “fumadoras contínuas”, tendo fumado diariamente durante a maior parte da gravidez (13%), “não-fumadoras” (62%) ou fumadoras ocasionais ou que tinham deixado de fumar no início da gravidez (25%).
 

De forma a analisarem a metilação do ADN, os investigadores recolheram amostras, principalmente do sangue do cordão umbilical, após o parto. Para os recém-nascidos de mães consideradas “fumadoras contínuas”, foram identificados 6.073 locais onde o ADN tinha sido quimicamente alterado. Cerca de metade destes locais podiam ser associados a um gene específico.
 

Os investigadores constataram que esse conjunto de genes estava associado ao desenvolvimento dos pulmões e sistema nervoso, cancros relacionados com o fumo de tabaco, anomalias congénitas, como lábio leporino e fenda palatina, entre outros. “Muitos sinais estavam associados a vias do desenvolvimento”, revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Bonnie Jouber. Verificou-se que muitas destas modificações no ADN ainda estavam presentes nas crianças mais velhas cujas mães tinham fumado durante a gravidez.
 

Em estudos futuros os investigadores querem perceber melhor como estas modificações no ADN podem influenciar o desenvolvimento da criança e da doença. “Já sabíamos que o tabagismo estava associado ao lábio leporino e fenda palatina, mas não sabemos porquê. A metilação pode de alguma forma estar envolvida no processo”, concluiu umas das colíderes do estudo, Stephanie London.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.