Fraco aconselhamento em produtos naturais

Alerta da DECO

23 setembro 2008
  |  Partilhar:

A DECO Proteste visitou 48 ervanárias, parafarmácias, centros dietéticos e farmácias e concluiu que a maioria não garante o uso seguro de preparações à base de plantas e suplementos alimentares. Os resultados do estudo são publicados na edição de Outubro da revista “Teste Saúde”.
 

 

A associação de consumidores informa que enviou dois colaboradores anónimos aos locais. Um dizia sofrer de depressão e queria comprar hipericão, porque não sentia melhoras com o medicamento receitado pelo médico. A outra estava grávida, com barriga bem visível, e pretendia um produto natural para ajudá-la a combater o cansaço, falta de memória e de apetite.
 

 

No primeiro cenário, a associação esperava que recusassem a venda, porque o hipericão tem interacções conhecidas com o anti-depressivo que estaria a tomar. Diz a DECO que só 23 estabelecimentos foram exemplares. Em 18, dispensaram hipericão ou outro produto que não devia ser tomado com o conhecido anti-depressivo. Em três, recomendaram o abandono do medicamento: evitaram o risco de interacções, mas assumiram o papel do médico.
 

 

No caso da grávida, apenas 19 estabelecimentos foram prudentes e nada venderam. Num estabelecimento, dispensaram chá com uma substância capaz de reduzir a actividade uterina e noutros forneceram produtos que, no rótulo, desaconselhavam a toma por grávidas ou recomendavam uma consulta médica prévia. Neste sentido, a DECO exige regras para a venda destes produtos, de modo a salvaguardar a saúde das pessoas.
 

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.