Fibrose cardíaca: pode ser impedida através de ácido biliar?

Estudo publicado na revista “PLOS One”

10 agosto 2016
  |  Partilhar:
Investigadores do Canadá deram um passo importante no que diz respeito à futura prevenção da fibrose cardíaca, uma condição que conduz à insuficiência cardíaca, para a qual ainda não há cura, dá conta um estudo publicado na revista “PLOS One”.
 
No estudo os investigadores das universidades de Alberta e McGill, no Canadá, analisaram, num modelo pré-clínico, os mecanismos moleculares que conduzem à fibrose cardíaca, tendo descoberto os desencadeadores específicos da fibrose cardíaca. O bloqueio destes com um tipo específico de ácido biliar impediu a fibrose cardíaca de ocorrer. 
 
Marek Michalak, da Universidade de Alberta, explicou que a fibrose cardíaca é considerada uma remodelação permanente do coração, conduzindo inevitavelmente à insuficiência cardíaca e eventualmente à morte. Este estudo permite demonstrar pela primeira vez que a fibrose cardíaca é evitável.
 
A fibrose cardíaca é causada por vários fatores, incluindo a pressão arterial elevada, sobrecarga do músculo cardíaco e o consumo a longo prazo de uma dieta com elevado teor de gorduras saturadas e açúcar. Todos estes fatores aumentam o stress nas células cardíacas. Os indivíduos com diabetes, os pacientes com cancro submetidos à quimioterapia e os que são alvo de transplantes cardíacos encontram-se também em maior risco de desenvolver a condição.
 
O investigador explica que é quase como a construção de uma cicatriz. É exatamente o mesmo tipo de atividade biológica, mas a ocorrer no tecido cardíaco, o que afeta a capacidade do coração para funcionar normalmente.  
 
A equipa está já avançar com estudos adicionais para verificar se os mesmos efeitos terapêuticos podem ser conseguidos nos humanos. Os investigadores esperam também compreender melhor como os ácidos biliares podem impedir a ocorrência da fibrose cardíaca. 
 
“Se a fibrose cardíaca puder ser interrompida, poderá melhorar substancialmente o resultado dos indivíduos que estão em risco. Este pode ser um avanço significativo na batalha contra a doença cardíaca”, concluiu um dos coautores do estudo, Luis Agellon.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.