Ferro pode causar danos celulares

Estudo publicado “PLOS ONE”

17 fevereiro 2016
  |  Partilhar:

A exposição de células a concentrações de ferro similares às administradas através dos tratamentos habituais podem desencadear danos no ADN em dez minutos, dá conta um estudo publicado na revista “PLOS ONE”.


Com base nestes resultados os investigadores do Imperial College London, Reino Unido, sugerem que é necessário ter cuidado com a quantidade de ferro administrada nos tratamentos habituais, incluindo comprimidos e infusões, e com os efeitos que estes podem ter no organismo.


O ferro é essencial para o funcionamento do organismo e tem como principal função o transporte de oxigénio. Níveis baixos deste metal podem causar anemia, que conduz ao cansaço e letargia. Milhões de indivíduos tomam comprimidos de ferro, que estão disponíveis nas farmácias ou por prescrição médica.


Para o estudo, os investigadores utilizaram células endoteliais humanas, que revestem os vasos sanguíneos, e adicionaram um placebo ou uma solução de 10 micromolar, uma concentração similar à observada após tomar um comprimido de ferro.


Após terem analisado as células detalhadamente, os investigadores constataram que após dez minutos, as células que tinham sido expostas ao ferro tinham os sistemas de reparação do ADN ativados. Estes continuavam ativados seis horas mais tarde.


“Já sabíamos que o ferro poderia ser prejudicial para as células em doses muito elevadas. Contudo, neste estudo constatamos que quando aplicámos os mesmos níveis de ferro encontrados na corrente sanguínea após a toma de um comprimido de ferro, estes parecem ser capazes de desencadear danos celulares, pelo menos em laboratório. As células parecem ser mais sensíveis ao ferro do que se pensava anteriormente”, revelou, em comunicado de imprensa, uma das autoras do estudo, Claire Shovlin.


A cientista refere que os suplementos de ferro são essenciais para muitos pacientes e que, como estes dados necessitam de confirmação, ainda não está na altura de aconselhar os médicos a alterarem a prescrição deste tipo de suplementos. Muitos indivíduos necessitam de quantidades adicionais de ferro para que o seu organismo funcione adequadamente. No entanto, aconselha a cientista, se surgir alguma preocupação em torno da toma destes suplementos, os pacientes devem falar com os seus médicos.


Claire Shovlin refere ainda que este estudo ajuda a abrir uma discussão sobre a quantidade de ferro que as pessoas devem tomar. Atualmente, cada comprimido de ferro contem quase dez vezes mais que a quantidade recomendada diariamente e estas doses não sofreram modificações nos últimos 50 anos.


“Este estudo sugere que é necessário pensar cuidadosamente sobre a quantidade de ferro que deve ser administrada e tentar adaptar a dose de ferro a cada paciente”, conclui a investigadora.


ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.