Felicidade e o papel de um neurotransmissor

Estudo publicado na “Nature Communications”

12 março 2013
  |  Partilhar:

Investigadores americanos descobriram que um peptídeo específico, um neurotransmissor conhecido por hipocretina, se encontra aumentado quando as pessoas se sentem felizes e diminuído quando estão tristes, dá conta um estudo publicado na revista “Nature Communications”.

 

Um estudo anterior levado a cabo pela mesma equipa de investigação demonstrou que os indivíduos que sofrem de narcolepsia, um distúrbio neurológico caracterizado por períodos descontrolados de sono, apresentavam níveis reduzidos das células produtoras de hipocretina. Uma vez que a narcolepsia está associada à depressão, os investigadores da University of California, nos EUA, decidiram explorar a possível associação entre este neurotransmissor e a depressão.

 

Para o estudo, os investigadores liderados por Jerome Siegel contaram com a participação de oito pacientes que estavam a receber tratamento para a epilepsia no UCLA Medical Center, tendo conseguido apurar os níveis de hipocretina e de outro peptídeo, o MCH, no cérebro dos indivíduos. 

 

As medições destes dois peptídeos foram realizadas enquanto os participantes viam televisão, mantinham interações sociais, comiam, eram submetidos a várias manipulações clínicas e durante a transição entre o estado de sono e alerta. Os participantes avaliaram o seu humor e atitudes através de um questionário.

 

Os investigadores constataram que os níveis de hipocretina estavam maximizados durante emoções positivas, acessos de raiva, interações sociais e ao despertar. Pelo contrário, os níveis de MCH eram mais elevados durante o início do sono e mais baixos durante as interações sociais.

 

De acordo com os investigadores, estes resultados sugerem que a administração da hipocretina poderá elevar o estado de humor e de alerta, podendo assim estar na base de futuros tratamentos de doenças psiquiátricas como a depressão.

 

Jerome Siegel refere que várias empresas farmacêuticas estão a desenvolver antagonistas da hipocretina para o tratamento de insónias. Contudo, este estudo sugere que irão alterar o humor assim como o padrão de sono.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.