Febre: infeção viral ou bacteriana?

Estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences Online Early Edition”

18 julho 2013
  |  Partilhar:

Quando uma criança tem  febre, mas sem outros sintomas, é difícil perceber se este sintoma tem na sua origem uma infeção viral ou bacteriana. Mas os investigadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington conseguiram agora, através do perfil da atividade genética, distinguir estes dois tipos de infeção, dá conta um estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences Online Early Edition”.
 

“É comum as crianças ficarem com febre sem nenhuma causa aparente. Algumas destas crianças têm graves infeções bacterianas que podem colocar em risco a sua vida, mas a maioria é afetada por infeções virais. Contudo é difícil, numa primeira fase, distingui-las”, revelou em comunicado de imprensa ao líder do estudo, Gregory Storch.
 

As pessoas que têm febre sem nenhuma causa aparente são por vezes tratadas com antibióticos, como precaução, apesar de estes fármacos não tratarem as infeções provocadas por vírus e a sua excessiva prescrição contribuir para a resistência aos antibióticos.
 

Para o estudo os investigadores contaram com a participação de 30 crianças que tinham entre dois meses a três anos de idade, que tinham febre acima dos 38C, mas não apresentavam sinais óbvios de doença, como tosse ou diarreia.
 

Neste estudo, os investigadores propuseram-se a encontrar um padrão de atividade genética num tipo de células imunitárias, os leucócitos, que fosse capaz de distinguir a infeção viral da bacteriana. Para obter este tipo de perfil genético, foi utilizada uma técnica de biologia molecular conhecida por “microarrays”. Os autores do estudo explicam que os leucócitos estão envolvidos na primeira linha da defesa do sistema imunitário contra organismos invasores, tendo-se assim colocado a hipótese de responderem de uma forma diferente aos vírus e bactérias.
 

Através da utilização deste tipo de tecnologia e dos diferentes perfis de atividade genética, os investigadores foram capazes de distinguir, com 90% de precisão, o tipo de infeção em causa. Este resultado foi melhor do que o obtido a partir dos testes standard, que apenas têm uma precisão de 70%. “Estes resultados são bastante úteis para os médicos, pois perante um padrão de expressão genética indicador de uma infeção viral estes sentem-se mais confiantes para não prescreverem antibióticos”, explicou o investigador.
 

O investigador referiu ainda que nas crianças com vírus e febre, muitos genes estão altamente ativos, comparativamente com aquelas com vírus e sem febre, cujos genes estão menos ativos. Esta técnica informa basicamente como o paciente está a “ler” a infeção. Os genes altamente ativos informam que a infeção causa doença no paciente, enquanto os genes menos ativos podem significar a ausência de infeção ou a presença de bactérias ou vírus e ausência de doença.
 

Segundo Gregory Storch, esta distinção é importante, pois quando um teste sugere que a criança tem um vírus, o médico não sabe se o vírus está a provocar doença ou se é mero espectador. “O perigo de atribuir o sintoma a um vírus que na realidade é um espectador inocente pode significar a não prescrição de antibióticos necessários.”
 

O investigador conclui que a medição da atividade genética fornece resultados mais conclusivos relativamente à doença e ajuda a prescrição de antibióticos para as crianças que realmente necessitam deles.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 1 Comentar

febre no filho de tres anos por conta de virus e as bacterias

Desde de um ano e nove meses de idade meu filho sofre com esse problema de garganta febre acima de 38,5 e os otorrinos nao indicam tirar as amidalas.o que faço estou desesperada que antibiotico eu dou...os médicos nao descobrem nada e fico dando azitro mais remedio de febre ...enfim

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.